Comportamento

Mãe se assume homossexual aos 50 anos e incentiva filha adulta a fazer o mesmo

Filha relata sua reação diante da orientação sexual da mãe e como isso foi importante para que ela também se assumisse. Entenda!



Camila Kubo relatou ao Universa como reagiu ao saber que sua mãe tinha se assumido lésbica, aos 50 anos de idade. Ela tinha 15 anos. Depois do fim do casamento dos pais, sua mãe decidiu que moraria com seu pai.

Conta que demorou um tempo para processar tudo, sendo bem difícil aceitar, no começo. Como aconteceu em meados dos anos 2000, o acesso à informação não era tão amplo e disponível, como é hoje em dia. Não tinha ninguém do seu convívio social que se tivesse assumido, portanto, não havia exemplos. Mas que foi criada para aceitar todos como eram e nunca discriminar uma pessoa.

A revelação veio depois da separação de seus pais, que estavam juntos havia 21 anos e tinham três filhos. Camila conta que sua mãe não falou abertamente com ela sobre isso nem sobre o casamento que já estava ficando insustentável. Descobriu a opção sexual da mãe por meio da avó que, perguntada por Camila se a mãe era gay, respondeu que sim. A filha não parecia acreditar e indagou a avó, perguntando o que ela achava disso.


A senhora respondeu que ela era sua filha e sempre ia amá-la. Camila ficou em silêncio e levou um tempo para aceitar, mas hoje, ao refletir sobre tudo, diz que na verdade estava em conflito consigo mesma e com a sua sexualidade.

Depois do divórcio, Camila decidiu morar com seu pai. Sua mãe chegou a passar dificuldades financeiras nesse período. A filha conta que seu pai entregava dinheiro para ela, sem que soubesse que estava sendo ajudada financeiramente pelo ex-marido.

Tempos depois, sua mãe Sandra casou-se com uma mulher. Camila conta que demorou para que iniciassem um relacionamento familiar com a madrasta, mas foi aos poucos que ela foi entrando na vida deles. Seu pai também se casou, então ela tinha duas madrastas.

A esposa de sua mãe esteve presente em momentos importantes de sua vida e da família, como o casamento de seus irmãos e o aniversário de seu sobrinho. Apesar do relacionamento não ter acabado bem, diz que ela foi muito importante por fazer parte da sua formação. Foram 15 anos de casamento.


Camila conta também que o processo para se assumir foi rápido, por ter o exemplo da mãe. Disse que a chamou para um café e iniciou a conversa, verbalizando que gostava de meninas. O apoio que recebeu dela e dos irmãos foi crucial para que se sentisse apoiada.

Declarou que a abraçaram, dizendo que a amavam. Para seu pai, ela falou abertamente tempos depois. Ele disse que ela deveria ser quem era e que sempre estará presente em sua vida. Sua mãe faleceu há três anos e Camila fala que é muito grata a ela e sente orgulho da sua história.

Declara que quer muito ajudar com palavras de incentivo aqueles que não tiveram o privilégio de viver numa família que apoia e ama, pois “sair da escuridão do armário” muda a vida. Ela finaliza seu relato afirmando que sua mãe estaria muito feliz e orgulhosa pela mulher que se tornou.


“Somos mulheres de verdade, com curvas, celulite, estrias e gordura”, diz Camila Cabello

Artigo Anterior

“Não quero ser referência para estimular o padrão do que uma mulher deve ser”, reflete Letícia Spiller

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.