Comportamento

Menina de 12 anos é impedida de assistir à aula por considerarem sua saia curta demais

A mãe ficou furiosa quando soube que sua filha tinha sofrido punição por estar com saia curta. Ela alegou que as regras escolares estão completamente desatualizadas. Entenda o caso!



Debbie Bradley contou esse caso ao Love What Matters para conscientizar as pessoas e abranger aquelas que passaram por alguma situação semelhante à sua. Mãe de duas meninas, ela passou por uma experiência que a fez refletir muito sobre como a sociedade enxerga as mulheres.

Ela começa contando que, no primeiro dia de volta às aulas, pensou que tudo daria certo e poderia trabalhar no silêncio e em paz. Não demorou muito e o colégio ligou, dizendo que sua filha mais velha ficaria “detida” pelo resto do dia porque sua saia era muito curta e ela violou o código de vestimenta da escola.

Fazia menos de uma hora que elas tinham ido para o colégio. Debbie disse que sua filha tem 12 anos, mas com uma cintura do tamanho de uma criança de 7, e a saia ficou pouca coisa acima de seu joelho.


Foi buscá-la porque, se ela não poderia assistir às aulas, o melhor a fazer era voltar para casa e tentar resolver a situação com algum responsável na escola. A mãe queria saber por que aquilo era um problema tão grave a ponto de fazer sua filha ser impedida de estar em sala.

Quando perguntou se o comprimento de sua saia afetava sua educação e capacidade de aprender, a resposta foi afirmativa, e ela se surpreendeu. Insistiu em saber por que, e a resposta que teve foi apenas sobre a política da escola.

Debbie afirmou que não responderam ao seu questionamento e explicou que a educação e capacidade de aprender se baseiam no que sai da boca do professor e o que se instala nos ouvidos dos alunos, além do nível de compreensão que eles têm sobre aquela lição. Novamente indagou em que a roupa da filha, considerada curta demais (mas não era), poderia prejudicar seu aprendizado.

A escola disse que o código de vestimenta determina colocar os alunos que não estão de acordo com o uniforme em detenção. A mãe, furiosa, rebateu afirmando que na verdade é a política da escola que afeta o aprendizado dos alunos, e não sua roupa. O embate continuou até que se deu conta da situação. Afirmou que a escola julga as crianças pelo que elas vestem e punem as que não “se adequam”, impedindo-as de receber uma educação de qualidade.


A mãe relata que achou a postura da escola totalmente absurda, pois isso só aumenta a chance de essas crianças crescerem julgando os outros e excluindo os que não se encaixam no padrão. Afirmou que não é aceitável uma criança ser punida pelo que está vestindo. Por esse motivo, os casos de bullying aumentam, pois os adolescentes aprendem na própria escola que está tudo bem excluir o outro por não estar de acordo com o que querem.

Debbie continuou seu discurso com o funcionário da escola, e apontou outras três alunas usando saia mais curta que a da sua filha, e questionou: por que funcionárias podem usar saias mais curtas, enquanto sua filha, que estava ali para estudar, não? De acordo com as políticas da escola, os mais velhos não deveriam dar o exemplo? Concluiu que o papel da escola não é esse, já que as crianças estão ali para estudar, não para ser detidas por algo que não influencia em seu aprendizado.

Mãe é criticada por deixar filho de 2 anos usar cabelo comprido: “Como vão saber que é menino?”

Artigo Anterior

Menina pega mais de 50 ursos em máquina de mercado e doa para crianças carentes: ‘Sempre gostei de ajudar’

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.