publicidade

Mesmo após assinatura da documentação, Justiça obriga casal homoafetivo a devolver bebê adotada!

A batalha foi parar nas redes sociais, pois já haviam conseguido o processo de adoção pela Vara da Infância e Juventude.



Decidir ter um filho é um passo muito importante na vida de qualquer casal. Quando se trata de adoção, a burocracia e os trâmites são mais demorados e há um gasto de energia emocional considerável. Quando enfim dá tudo certo, ainda há o tempo de espera, para que a documentação fique legalizada e a adoção ocorra ao rigor da lei.

Esse caso aconteceu em Pirenópolis, a 123 quilômetros de Goiânia, e rapidamente tomou a internet. Depois de passar seis anos na fila do Sistema Nacional de Adoção (SNA), o que é obrigatório, de acordo com o Conselho Nacional de Justiça, o casal conseguiu aprovação para adotar uma criança.

A bebê de 11 meses estava vivendo com Thays Veiga Miranda Lopes, que não é sua mãe. A mãe biológica é dependente química. Por conta disso, Thays cuida da criança desde que ela nasceu, e essa convivência ficou registrada em um termo de responsabilidade do Conselho Tutelar.

A guerra da adoção da menina se deu porque, segundo Juliano Peixoto de Pina, no dia 22 de setembro de 2020, eles assinaram toda a documentação e estava tudo certo, porém, a família acolhedora, que é o termo usado para quem fica temporariamente com a criança enquanto aguarda o processo tramitar, não quis entregar a criança.


Montaram tudo: quarto, roupinhas e materiais de higiene, e a menina só chegou até eles depois que foi emitido um mandado de busca e apreensão.

Segundo o casal, a suposta madrinha não passou pelo trâmite de adoção, portanto não poderia ficar com a bebê. Relataram tudo em um vídeo publicado no Instagram.

 


Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por #voltaAurora (@voltaaurora)

Com informações do Metrópoles, a mulher que ficou com a criança disse que foi surpreendida quando viu que deveria entregá-la para eles. Não entendeu o motivo, já que cuidou da menina desde que nasceu e deu todo o suporte para ela e seus irmãos. Finalizou dizendo que a bebê tem família e não é desamparada, portanto não havia motivo algum para tirá-la de sua casa.

A criança passou a morar com Juliano e Johnatan, no dia 24 de setembro, mas 12 dias depois, a Justiça obrigou o casal a entregar a menina para sua suposta madrinha. Ela entrou com o pedido de suspensão da adoção, depois que relatou seu laço afetivo com a bebê.

Thays disse que conhece a mãe biológica e ressaltou que nunca fez parte do programa Família Acolhedora. Ela apenas assinou um comprovante no Centro de Referência de Assistência Social de que a criança ficaria com ela. A mulher explicou tudo isso em um vídeo que foi excluído logo em seguida.

O sentimento de Juliano e Johnatan é de insatisfação e preconceito. Eles relataram que a decisão, determinando o retorno da criança, é ilegal, porque famílias acolhedoras não podem adotar a criança abrigada.

Eles, sim, são habilitados perante a lei para adoção, pois passaram pelo processo seletivo. Acham que é um preconceito velado, por serem um casal homoafetivo.

O casal criou uma petição on-line, intitulada #voltaAurora, desde o dia 27 de fevereiro. Até o momento, conta com mais de 11 mil assinaturas. Nela, o casal faz um apelo emocionado, dizendo que fez tudo de acordo com a lei e que não era justo lhe tirarem a filha.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@voltaaurora.

Juliano e Johnatan explicaram que estão juntos há 12 anos e, desde muito tempo, idealizam uma família, e ver o sonho sendo desfeito dessa forma é muito doloroso. Seguem afastados da filha há cinco meses e sentem-se vítimas de homofobia.

Thays, por outro lado, pede que as pessoas não assinem a petição, pois já recebeu visita psicossocial e entrou com o processo de adoção da bebê. Enquanto isso, o próximo julgamento está previsto para o dia 15 de março, a fim de tomar uma decisão definitiva sobre o caso.

O que achou dessa história?

Comente e compartilhe este texto em suas redes sociais!

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.