Comportamento

“Minha filha sofre racismo por não ter a pele e os olhos claros dos irmãos”: mãe faz triste desabafo

Capa Minha filha sofre racismo por nao ter a pele e os olhos claros dos irmaos Mae faz triste desabafo

Os pais de Flossy perceberam a diferença com que sua filha é tratada em comparação com os dois irmãos.



Mães não fazem distinção de seus filhos, o amor por todos é igual, e a proteção e o cuidado também. Sabemos que o coração fica destroçado quando elas percebem que o mundo não trata seus filhos da maneira que merecem.

Sophia Cooper tem três crianças, é casada com Chris e moram na Inglaterra. Ela é negra e seu marido, branco. Dois de seus filhos, os meninos Fin e Maxwell, têm genética igual à do pai. Sua filha Flossy tem a pele mais escura.

Sophia e seu marido perceberam que, desde muito nova, sua filha já era vítima de racismo, a ponto de ser insultada na pré-escola. A discriminação acontece desde a educação infantil, segundo entrevista de Sophia para o Daily Mail.


A mãe conta que as crianças tiram sarro dela na escola e a chamam de “cara de chocolate”.

Ela fica triste e muito chateada. Seus outros dois filhos nunca tiveram que lidar com isso. Ela acha injusto, pois educa e cria seus filhos para que sejam pessoas boas, e sem sua menina ter culpa alguma, é tratada de maneira diferente.

O preconceito não é apenas na escola. Está na família também. Sophia conta que, quando Flossy nasceu e a levaram para casa, alguns parentes questionaram o porquê de ela não se parecer com os irmãos. Em locais públicos, também acontecem constrangimentos.

2 Minha filha sofre racismo por nao ter a pele e os olhos claros dos irmaos Mae faz triste desabafo

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


A mãe lembrou que certa vez estava no parquinho, com seus filhos, e o pai de outra criança sentou-se ao seu lado e perguntou a ela se era babá das crianças. Sophia respondeu calmamente que eram seus filhos, pois já estava acostumada com o choque que as pessoas tomavam.

Ela afirma que pretende criar sua filha com autoconfiança e pronta para se defender e expressar-se livremente. As discriminações acontecem em atitudes pequenas, mas constrangedoras e indelicadas. Em uma festa na escola, enquanto a menina dançava, um pai perguntou se ela estava rebolando, enquanto para as outras crianças, nenhum tipo de comentário desse jeito foi falado.

As pessoas presumem que Sophia é mãe apenas de Flossy e os outros dois filhos são de Chris. Já chegaram a perguntar para ela se os meninos viam a mãe biológica. Sempre são questionados se seus filhos são adotados.

A mãe lembra que, quando Flossy nasceu, perguntaram por que ela tinha cor diferente dos irmãos. Sophia respondeu: a irmã se parecia mais com a mãe e eles, com o pai. Entenderam e nunca mais mencionaram nada a respeito.


Sophia já sofreu discriminação por ser negra, chegando a ser acusada de roubo, por estar de moletom com capuz. Estava chovendo e ela foi trocar os brinquedos dos filhos. Relatou que de repente estava numa pequena sala, sendo acusada de furto. Ela precisou chamar a polícia, porque não a deixavam sair.

Por isso, desde que se tornou mãe, diz que vai criar a filha para ter sua própria voz e não passar calada por esse tipo de situação. Finaliza afirmando que dizer que todos são iguais não está adiantando, ainda não é o bastante. O pensamento arcaico e antigo das pessoas precisa mudar. Chega de acharem que mulheres negras, quando levantam a voz, é porque são nervosas, e quando mulheres brancas fazem o mesmo, são corajosas.

O que achou desse relato? Conhece alguém que passa por essa situação?

Comente e compartilhe-a em suas redes sociais!


“Me formando de quimono e afro”: jovem brasileira conclui mestrado no Japão. Orgulho feminino!

Artigo Anterior

Mulheres entram em campanha virtual para normalizar seus pelos. Estão se sentindo libertas!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.