Comportamento

Mulher pede dicas na internet de como mandar enteado embora de casa, depois que seu pai faleceu

A madrasta não tem uma boa relação com o enteado, por isso buscou ajuda para tirá-lo de casa. Entenda!



O relacionamento entre madrasta/padrasto e enteados é muito particular em cada família. Enquanto muitos se dão bem e possuem vínculos que são até mesmo mais fortes do que com seus parentes biológicos, em outros casos, essas pessoas podem viver em pé de guerra, especialmente se partilharem o mesmo teto.

Em algumas situações particulares, entretanto, a dificuldade de convivência pode acontecer sem que haja um conflito em particular. Essas pessoas são colocadas em situações que as deixam desconfortáveis e se sentem obrigadas a tomar uma atitude para que sua qualidade de vida não seja prejudicada.

Uma madrasta está vivendo um dilema muito particular com o seu enteado e procurou ajuda para descobrir como lidar com a situação. Ela escreveu para Julia Naftulin, uma colunista do Insider, pedindo conselhos sobre como fazer com que seu enteado se mude da casa depois que o marido faleceu.

Segundo seu relato, o jovem de 27 anos se mudou para a casa deles a convite do pai, para que tivesse “um treinamento mais formal para o trabalho”. Porém três meses depois o pai faleceu, e agora ela quer ter a casa somente para si.


A mulher disse que o enteado “não tem planos” de sair da casa, e que teve a chance de morar com um colega de quarto, mas recusou, dizendo que eles “não são compatíveis”.

A madrasta explicou que o jovem não paga aluguel e que só recentemente ela lhe pediu para comprar a própria comida e produtos de higiene pessoal. Segundo ela, a situação financeira do enteado não é tão séria, porque apesar de ter um trabalho que não lhe paga tão bem, ele tem “uma poupança considerável”.

Ela desabafou dizendo que ambos não têm gostos similares e que nunca têm assunto em comum para conversar, afirmando que toda essa situação faz com que se sinta uma estranha na própria casa.


Depois de buscar os conselhos da especialista, a madrasta recebeu como resposta que deveria ser firme em sua posição, mas ao mesmo tempo compassiva, abordando o assunto com cuidado com seu enteado, já que ele também sofre pela perda do pai.

Também foi aconselhada a definir limites na relação ao mesmo tempo em que se mantém aberta e com sensatez.

O que você pensa do posicionamento da madrasta? Acredita que ela está certa?


Comente abaixo e compartilhe o texto nas redes sociais!

 

Direitos autorais da imagem de capa: Depositphotos.


Menino dá exemplo de honestidade ao deixar bilhete em carro que riscou por acidente

Artigo Anterior

Deus atendeu aos seus pedidos. Prepare-se para grandes bênçãos!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.