publicidade

Mulher que decidiu fazer barriga de aluguel para pagar contas precisa ficar com criança por conta da pandemia

Emily aguarda que os pais da menina venham buscá-la, mas a pandemia tornou tudo complexo, e ela a está criando há 12 meses.



Em setembro de 2019, Emily Chrislip foi escolhida para gerar o bebê de um casal de chineses. O processo, comumente chamado de barriga de aluguel, pode ser encarado como proveitoso tanto por quem faz quanto por quem recebe a criança. Como alguns casais infelizmente não conseguem ter filhos biológicos, algumas mulheres se candidatam para substituir a barriga da mãe.

Fazer barriga de aluguel não é algo simples, e não pode envolver pagamento nenhum pelo processo. Ou seja, não se pode pagar por uma criança, já que isso fere totalmente os direitos e deveres dos cidadãos, além da moral e da ética. O que os casais costumam combinar é de pagar um tipo de “compensação” pelos serviços da mulher, que pode servir para cobrir gastos com a gestação.

Emily conta, em entrevista ao USA Today, que recebeu entre R$ 190 mil e R$ 220 mil, usados para pagar empréstimos estudantis e comprar uma casa maior. O que ela e seu marido Brandon não contavam era com a pandemia, que impossibilitou que a pequena bebê que ela gerou fosse de fato adotada pelos pais.

A menina nasceu no dia 18 de maio de 2020, e o combinado inicial era que o casal chinês acompanhasse o parto. Emily teria um quarto reservado apenas para ela, e os pais teriam outro no mesmo hospital, para já ficarem com a filha desde o início.

Logo após o parto, Emily já teria finalizado seu compromisso com a família e poderia seguir sua vida normalmente.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@emilychrislip.

Mas a pandemia e o bloqueio dos aeroportos não permitiram ao casal estar presente no parto da própria filha. No início, a família pediu que Emily cuidasse da criança, já que não conseguiria ir a Idaho, nos Estados Unidos, por cerca de quatro semanas. Como teriam de pagar por uma babá, o casal perguntou se não seria melhor pagar diretamente à mulher que gestou seu bebê.

Ela e Brandon, que têm um filho chamado Camden, de 2 anos, concordaram com o combinado, imaginando que em quatro semanas estaria tudo resolvido. Já se passou cerca de um ano e a família biológica continua cuidando da pequena bebê, aceitando que não tem outra coisa a fazer no momento.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@emilychrislip.

Emily é categórica e explica que a pequena é muito amada por eles, que são constantes em sua vida. Ela explica que sempre tenta criar algumas “barreiras” emocionais, já que sabe que um dia terá de entregar a menina. Mesmo sendo muito amada pela família norte-americana, ela possui outra família na China, que também está ansiosa para o momento do encontro.

Emily revela que a bebê é tratada exatamente como se fosse da família, já que, nessa fase da vida, as crianças precisam receber atenção e amor.

Depois de tudo o que aconteceu por causa das restrições sanitárias e bloqueios, a mulher não sabe se poderia ser barriga de aluguel novamente, mas poderia considerar o fato, se fossem os mesmos pais.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@emilychrislip.

A pequena menina não tem a identidade divulgada nem suas imagens, já que é menor de idade e está sob os cuidados legais de Emily apenas de maneira substituta. Como o processo é complexo, a justiça exige que ela não sofra nenhum tipo de exposição.

O que achou deste caso?

Comente abaixo e compartilhe-o nas suas redes sociais!

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.