Comportamento

“Não aguento mais”: marido se queixa de exaustão e abandona esposa com câncer terminal no hospital

1 capa Nao aguento mais marido se queixa de exaustao e abandona esposa com cancer terminal no hospital

A esposa dele foi diagnosticada com câncer de cólon em estágio 4 e, depois de um ano e meio cuidando dela, da casa e dos filhos, ele decidiu abandoná-la.



O cuidado com pessoas doentes é algo complexo. Dependendo da doença, muitas nuances podem surgir, além da enfermidade, como reações aos remédios, debilidade física, com o passar do tempo, alterações de humor, muita tristeza e, provavelmente, mudança na rotina da família.

Se a doença já é algo insuportável, só de pensar em conviver com ela e conciliar a administração de rotina de uma casa e filhos com o trabalho é exaustivo. Todos sabemos disso. Mas cuidar de alguém doente vai muito além disso, é questão de humanidade, de bondade e de carinho.

Um polêmico caso foi compartilhado no site Reddit, em que um marido revela-se cansado de cuidar da esposa com câncer em estágio terminal.


É forte o relato de um homem sobre sua exaustiva rotina que dura um ano e meio, desde que a mulher parou de fazer toda e qualquer atividade dentro de casa por conta da doença.

O homem, que não se identificou, explica que, há um ano, sua esposa é incapaz de fazer qualquer coisa dentro de casa e foi se tornando rude, passando a gritar e a chorar o tempo todo, além de culpá-lo por não demonstrar gentileza. Mas ele acredita que isso não é necessário, já que colocou toda sua vida em espera para cuidar de tudo durante sua doença.

Ele se vê perdendo a própria identidade, por isso decidiu tomar uma drástica decisão: abandonar sua esposa no hospital. Sim, isso mesmo. De acordo com sua narrativa, ele descobriu que seria muito burocrático colocá-la numa casa de repouso e, depois de conversar com seu pai, de 74 anos, soube que, se ninguém aparece para buscar um paciente, quando ele recebe alta, a administração do hospital entra em contato com uma equipe de assistência social, que o encaminha a uma enfermaria especializada.

O marido então ficou aguardando o momento em que a esposa teria de ir para o hospital, algo que não demorou a acontecer, já que ela luta contra câncer de cólon em estágio 4. Foi quando ele percebeu que, na semana em que ela esteve fora, sua rotina havia melhorado.


O homem não precisava mais lidar com uma pessoa zangada o tempo todo, enquanto exercia as funções de mãe, pai, enfermeiro e ainda sair para cumprir sua carga horária no trabalho remunerado.

Quando o hospital ligou avisando que ela teria alta, ele disse que não queria mais cuidar dela. As pessoas da unidade de saúde passaram a ligar insistentemente para o marido, implorando-lhe que buscasse sua esposa, mas ele manteve sua decisão e informou que elas teriam de enviá-la a uma clínica especializada e informar aos assistentes sociais que isso ocorresse o mais rapidamente possível.

Por fim, o homem pergunta em sua publicação se ele é ruim por ter atingido seu limite. O casal tem três filhos, dois meninos, de 18 e 16 anos, e uma menina, de 15. A caçula foi quem mais se enfureceu com a atitude do pai, e todos se comprometeram a cuidar da mãe durante todo o tempo, mas ele explica que o assistente social seria capaz de fazer seu trabalho com excelência, ajudando a esposa a arrumar uma instalação apropriada.

1 2 Nao aguento mais marido se queixa de exaustao e abandona esposa com cancer terminal no hospital

Direitos autorais: reprodução Reddit/throwawayctas.


Segundo o Laboratório Think Olga, as mulheres gastam, em média, 61 horas semanais com serviços não remunerados no Brasil,isso inclui os afazeres domésticos e o cuidado com pessoas. Cuidar do outro não é uma tarefa fácil e, muitas vezes, é deixada mais nas mãos das mulheres do que dos homens, como se fosse uma habilidade inerente à feminilidade.

Se existe algum familiar doente, normalmente é a mulher da família que assume a responsabilidade do seu cuidado, e faz isso com todas as faixas etárias, cuidando dos filhos, sobrinhos, netos, avós, sogros, entre outros. Esse trabalho, que não tem nenhum tipo de remuneração e causa uma sobrecarga extrema, realmente não é simples, mas deve-se enxergar o outro, o doente como uma pessoa vulnerável, que precisa daquele apoio, daquela ajuda.

O que você acha desse polêmico caso?

Comente-o abaixo e compartilhe nas suas redes sociais para saber o que seus amigos acham!


Após 3 anos de convivência, youtuber devolve filho autista adotado: “Não estava preparada”

Artigo Anterior

Considerado morto, jovem volta à vida pouco antes da cirurgia para retirada de órgãos

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.