Comportamento

“O dinheiro que ganham deve ser proporcional ao que geram”, diz atleta que não apoia igualdade de gênero

Lutadora causou alvoroço ao dizer que mulheres não devem buscar lugar de igualdade com homens. Confira!



As mulheres vêm conquistando um espaço cada vez maior em todos os setores. Profissões antes  ocupadas apenas por homens hoje começam a dar espaço para elas. No esporte isso também já está sendo visto há décadas.

A luta, a garra e a determinação são o que fazem de nós merecedoras de qualquer lugar que almejamos ocupar. Mas, mesmo com o avanço dos anos, ainda há muita desigualdade. Os exemplos variam muito, desde não se conseguir uma vaga de emprego porque se é mãe até a diferença salarial em relação aos homens, mesmo desempenhando a mesma função que eles.

No ramo das artes marciais, as representantes femininas estão cada vez mais em alta, mas ainda assim existe uma diferença gritante nos contratos.


Ronda Rousey é uma lutadora de destaque no UFC, evento que reúne diversos atletas da modalidade MMA. Recentemente, ela concedeu entrevista para o UFC, em que defendeu que as atletas femininas precisam ganhar sua renda por méritos próprios e não ficar cobrando igualdade com os lutadores homens.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@rondarousey.

Ela foi considerada a lutadora número um e a primeira mulher em 2018 a entrar no hall da fama do evento. Graças ao seu empenho e muita dedicação, trilhou um caminho de sucesso, conquistando milhares de fãs pelo mundo.

Promoveu um debate acalorado sobre sua declaração relacionada a seus ganhos financeiros. A atleta disse que conseguia mais dinheiro porque merecia, ao invés de ficar reivindicando igualdade, quando não geram o mesmo público que os lutadores masculinos.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@rondarousey.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@rondarousey.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@rondarousey.

Perguntada sobre essa diferença, ela respondeu que era a lutadora mais bem paga por mérito e que as atletas femininas precisam entender que o que ganham é proporcional ao que geram.


Claro que suas afirmações não foram bem-vistas por muitas lutadoras, pois elas convivem diariamente com um meio que precisa ser mais consciente sobre a representatividade da mulher nos esportes.

O debate ficou relacionado à carreira de Ronda e como ela usou da própria experiência para tentar justificar algo que não é a mesma coisa para outras, já que usou de sua visibilidade para alçar outros ramos. Agora ela está no WWE, em conjunto com a carreira de atriz.

Uma mãe não nasce pronta. Não existe manual de como ser uma mãe-maravilha

Artigo Anterior

“Não me peça para mudar meu corpo só para te agradar.” Mulher de 52 anos reflete sobre autoestima

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.