O estresse reduz nossa capacidade de detectar perigos na vida!

3min. de leitura

Pesquisadores da Universidade de Nova York, sob a liderança de Candace Ray, descobriram que, contrário ao que muitos podem pensar, o estresse pode nos prejudicar na identificação de perigos em nossas vidas.



As descobertas dos pesquisadores, que foram divulgadas nas Proceedings da Academia Nacional de Ciências, revelam que o estresse, de fato, diminui a nossa capacidade de atenção para os perigos ao nosso redor, porque “prestamos menos atenção às mudanças no ambiente, colocando-nos em maior risco potencial de ignorar novas fontes de ameaça.”

O estresse reduz a flexibilidade de nossas respostas a situações perigosas, afetando diretamente a nossa maneira de identificar e atualizar nossas predições.

O trabalho dos pesquisadores que gerou essa descoberta, funcionou através de experimentos centrados no “condicionamento ameaçador” de Pavlov. Os participantes do experimento visualizaram imagens em uma tela, algumas combinadas com um leve choque elétrico no pulso para funcionar como uma forma de “sinal de ameaça”, e outras sem nenhuma outra combinação, para estabelecer um “sinal de segurança”.

Um dia após a experiência com as imagens, metade dos participantes foi submetida a um procedimento com a finalidade de induzir o estresse, através da submersão de um braço em um banho de gelo durante alguns minutos. Esse procedimento propicia a manifestação de dois hormônios do estresse: alfa-amilase e cortisol. Após isso, todos os participantes repetiram o procedimento das imagens, mas dessa vez os resultados obtidos variaram: não foi o sinal de ameaça inicial já previu o acidente, e sim o sinal seguro. Conforme os participantes visualizavam as imagens, eram coletadas respostas de excitação fisiológica, com o objetivo de analisar como eles antecipavam o resultado de cada sinal.


No segundo dia do experimento, o grupo que foi submetido ao procedimento de estresse através da submersão do braço em gelo, foi menos propenso a mudar suas respostas às ameaças, o que comprovou que o seu estresse nublava sua capacidade de identificação e flexibilidade a novas ameaças. Os participantes mostraram uma resposta fisiológica inferior ao novo sinal de ameaça, o que sugere não mudaram por completo a associação com o sinal de segurança ou o sinal de ameaça.

Para os pesquisadores, os resultados revelam que as pessoas sujeitas ao estresse desenvolvem um déficit de aprendizado, que os impede de processar de forma efetiva as associações dos sinais de segurança e ameaça.

________

Direitos autorais da imagem de capa: grinvalds / 123RF Banco de Imagens


Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.