ComportamentoPais e Filhos

Os primeiros 10 anos de nossa infância condicionam o resto de nossas vidas

os primeiros 10 anos

Todos nós temos algum trauma de infância que permanece em nossas vidas até a vida adulta, influenciando nossos comportamentos e relacionamentos. O trauma mais comum que manifestamos é o emocional, relacionado às experiências emocionais negativas com pessoas muito próximas a nós, principalmente nossos pais.



As crianças são muito ligadas aos seus pais, e os têm como seus exemplos e heróis. Portanto, tudo o que eles lhes falam afeta suas vidas para sempre. Sabendo disso, é importante que os pais saibam como conversar com seus filhos, escolhendo as palavras com cuidado e sempre pensando em sua felicidade e bem-estar.

Os pais são os principais incentivadores da autoestima e amor-próprio de seus filhos e devem falar com eles de forma positiva, elogiando suas conquistas e comportamentos corretos e evitando as comparações, porque por menores que sejam, podem marcar a vida das crianças, principalmente quando envolvem comentários depreciativos, porque as palavras dos pais nunca são esquecidas por seus filhos.



Os primeiros 10 anos são fundamentais para definir a saúde emocional das crianças

De acordo com cientistas, os primeiros 10 anos das crianças são fundamentais para definir como será suas vidas, porque nesse período está em formação sua personalidade.

Quando as crianças têm irmãos, costumam ser comparadas a eles frequentemente, especialmente na infância, seja pelos pais ou outras pessoas em suas vidas. Está certo chamar atenção para seus erros e repreendê-las, mas é preciso que isso seja feito da maneira certa, para que as crianças aprendam por amor.

O comportamento dos pais em relação a seus filhos influencia diretamente em sua formação psicológica. Por exemplo, se a criança é criada em um ambiente tóxico, em que brigas, comparações e violência estão sempre presentes, sua mente sofrerá um trauma e ela crescerá com muitas “faltas”, de amor, cuidado, carinho. Além disso, provavelmente repetirá os comportamentos negativos de seus pais, porque foi a única que aprendeu, o que afetará em sua qualidade de vida.



Como podemos prevenir e erradicar os traumas da infância

Para evitar que seus filhos cresçam com traumas emocionais, é essencial que os pais e demais membros da família façam uma reflexão sobre seu comportamento e priorizem uma criação em que a atenção, amor, presença, positividade e responsabilidade emocional estejam sempre presentes.

Crianças nunca devem ser tratadas com descaso, rudez ou violência. Qualquer pequena ação negativa pode ser o suficiente para traumatizá-las e preencher suas vidas de questões emocionais não resolvidas.



Se esse é o seu caso, e você colhe os frutos de uma infância negativa, existem dois principais passos para se libertar dos traumas emocionais:

Converse consigo mesmo

O contato com nosso interior é fundamental para começarmos um processo de cura e libertação.


Falar consigo mesmo não é um sinal de loucura, mas de maturidade emocional. Fique na frente de um espelho e comece a conversar consigo mesmo, dizendo coisas positivas para si mesmo, ressaltando todas as suas qualidades, habilidades e reforçando sua capacidade de conquistar sucesso e felicidade na vida, apesar de seu passado negativo.


Volte para o começo de tudo

Vá para algum lugar que você gosta e que o deixa confortável, feche seus olhos e comece a se lembrar de sua infância, dos momentos felizes que viveu durante aquele tempo. Tente lembrar-se cada pequeno detalhe que trazia felicidade para sua vida. Afaste as memórias negativas.


Provavelmente será difícil e doloroso no começo, mas é melhor enfrentar as situações e conseguir um encerramento, do que mantê-las em suas memórias, alimentando sua saúde emocional todos os dias.


Direitos autorais da imagem de capa: Nuno Alberto / Unsplash


As principais razões pelas quais você sempre atrai os parceiros errados

Artigo Anterior

Querido Deus, sem alarde, oro e vigio. Agradeço e confio. Que todo mal se afaste de mim.

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.