Comportamento

Para ajudar outras mulheres, mãe solo explica por que resolveu levar uma gravidez sozinha

Ela decidiu compartilhar sua jornada para dar apoio a tantas outras mulheres que, mesmo solteiras, acalentam o sonho de se tornar mães.



Durante muito tempo, ensinaram-nos que, para ser mãe, é necessário estar casada. Por esse motivo, mulheres acabam idealizando um casamento desde cedo e, quando as coisas não saem como planejadas, adiam o sonho de ter uma criança nos braços.

Hoje em dia, com a tecnologia e a independência das mulheres, ficou mais fácil entender que não é necessário estar num casamento para se tornar mãe.

O relato dessa mulher é para ajudar outras que passam pela mesma situação que viveu anos atrás. Deirdre Diener tem 46 anos e é uma profissional de marketing. Depois de relacionamentos fracassados, achou que seu desejo de ser mãe não seria realizado.


Por causa da cultura em que estamos inseridas, muitos freios são colocados na mente das mulheres. Há o julgamento da sociedade que condena a mulher que se decidiu pela carreira para somente depois constituir uma família.

Usam a idade como um ponto desfavorável, alegando que, quanto mais velha for, menos chance terá de ser casada e consequentemente se tornar mãe.

Deirdre cedeu seu relato ao Good Morning America, compartilhando sua história como sendo mãe solteira por opção. Desde muito jovem, seu pensamento sempre foi de ter um filho. Ela diz que essa vontade veio de por causa da maneira como foi criada, num lar cheio de amor e com uma mãe zelosa e que amava suas crianças.

O desejo de ser mãe para Deirdre era de passar todo esse sentimento presenciado em sua vida, mas por causa de alguns contratempos, ela começou a ver que talvez não fosse possível. Esse sonho tinha data de validade.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Deirdre Diener.

Pensou que estava tudo certo para alcançar a maternidade quando se casou. Mas aí veio o divórcio e a separação, aos 42 anos, foi como um soco em seu peito. Ela começou a se culpar por ter escolhido a carreira dos 20 aos 30 anos, por isso o sonho de ser mãe escorreu por seus dedos.

Depois de um mês de separação, em uma conversa despretensiosa com uma colega de trabalho, Deirdre imaginou que poderia buscar a maternidade por conta própria, pois tentou da maneira convencional e não tinha dado certo. Ao saber da história da colega, foi o impulso que ela precisava para tornar seu sonho realidade.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Deirdre Diener.


A importância de uma mulher ter poder sobre suas decisões faz com que sua vida seja transformada. Se ela ficasse presa às amarras da sociedade, de que não poderia ser mãe por conta da idade avançada ou por estar solteira, teria deixado de experimentar a melhor das sensações. Naquela tarde, após a conversa, Deirdre já marcou uma consulta numa clínica de fertilidade.

As notícias não foram tão animadoras, pois de fato havia o problema da idade. As mulheres produzem os óvulos por tempo determinado, e após o avanço do tempo, eles vão ficando mais escassos. Ela tomou a decisão de engravidar por meio de doação de óvulos e espermatozoides. Relatou que, se soubesse, anos atrás, da opção de congelar os próprios óvulos, ela o teria feito com certeza.

Por isso achou interessante compartilhar a sua jornada, para que mulheres que estejam pensando nessa possibilidade já congelarem os seus, caso contrário, há chance de a gravidez ser mais arriscada e difícil.

Ela provou que, mesmo com os obstáculos, não foi impossível. O investimento foi alto, mas seu sonho valia a pena. Ela encontrou um sistema de apoio fundamental para lidar com todo o processo. Quando se conhecem histórias de outras mulheres que esbanjam felicidade pela escolha que fizeram, optaram pela produção independente e se tornaram inspiração, dá a certeza de estar indo pelo caminho certo.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Deirdre Diener.

Deirdre finaliza seu relato contando que ouviu uma frase que leva para sempre em sua vida. Antes ela achava que teria que conhecer o homem certo para ser mãe. Hoje ela é mãe e isso vai fazer com que conheça o homem certo.

Ela espera que seu relato chegue a milhares de mulheres, para que insistam no sonho, pois já são mães, independentemente de seu estado civil.

Em 2018, ela deu à luz uma linda menininha, chamada Kelce Alyssa. Disse que amou a criança antes mesmo de ela existir, pois todo o seu esforço foi recompensado. Foi a maior onda de emoção positiva e bela que pairou sobre sua vida, que invadiu toda sua alma e coração. O amor de tê-la nos braços deu sentido a tudo.


Direitos autorais: reprodução Facebook/Deirdre Diener.

Que linda declaração! O que achou do relato desta mãe?

Comente e compartilhe sua história em suas redes sociais!


Thaeme Mariôto fala sobre gravidez na pandemia e revela como lidou com abortos sofridos anteriormente

Artigo Anterior

“Procure permanecer onde existe respeito pela fragilidade que lhe habita” (padre Fábio de Melo)

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.