Por que algumas pessoas pensam que são superiores?

7min. de leitura

Cuidado com a arrogância se quiser que os outros gostem de você.



Otimismo é geralmente considerada uma das qualidades psicológicas mais desejáveis.

Nós gostamos de estar com pessoas otimistas mais do que gostamos de estar com as pessimistas, e acreditamos que essa geralmente é uma estratégia de vida mais bem-sucedida.

Sendo assim, isso significa que você será mais capaz de lidar com quaisquer desafios que venham até você. Para Vera Hoorens e colegas da universidade de Leuven (2016), entretanto, ser um otimista pode ter um preço: pode fazer você parecer ingênuo, e você pode ficar desapontado quando suas previsões ensolaradas não se materializam.

Há outra armadilha envolvida com otimismo, e ocorre quando você cai preso à hipótese de arrogância. Como observado pela equipe belga, a hipótese de arrogância envolve comparar-se favoravelmente e explicitamente a outras pessoas.


Isto leva os outros a acreditarem que você mantém atitudes depreciativas em relação a eles, porque você os deixa entender que se considera superior.

É uma forma particular de orgulho em que as reivindicações que você faz sobre seu próprio valor vêm às custas de reconhecer as fraquezas de outras pessoas.

O exemplo usado por Hoorens et al. contrasta a declaração “Eu sou um amigo melhor que os outros”, com “Eu sou um bom amigo.”

Quando você faz uma demonstração comparativa aos outros, você está mostrando uma forma explícita de arrogância.


Quando você simplesmente indica o bom amigo que você é, a alegação de superioridade é implícita, e não há nenhum mal, sem danos a todos que ouvirem você fazer essa alegação. Quando o otimismo envolve uma rotação comparativa semelhante, é provável que desencadeie a mesma reação que o orgulho explícito.

Se você pensa que as chances de algo ruim acontecer com você são mais baixas do que as probabilidades de algo ruim acontecer aos outros, de acordo com esta visão, você está invocando uma hipótese de arrogância.

Por que você deve ser tão imune ao infortúnio? O que faz você ter mais sorte do que as pessoas ao seu redor?

Quando se trata de algo favorável, por que você deve ser muito mais provável do que seus concorrentes para conseguir um emprego para o qual você se candidatou?

Em termos de absoluto otimismo, você pode pensar que você está qualificado para o trabalho. Se você estiver usando otimismo comparativo, porém, você acredita que está mais qualificado que todos os outros, e, portanto, você deve começar o trabalho – e, claro, os demais não devem.

Nos dois experimentos conduzidos por Hoorens e sua equipe, os participantes avaliaram a competência dos reclamantes (pessoas que fazem reivindicações sobre si mesmos) expressas em termos absolutos ou comparativos.

Na primeira experiência, os pesquisadores apresentaram três cenários descrevendo indivíduos que eram ou otimistas ou pessimistas sobre a envelhecimento, encontrar a felicidade romântica, e viver relacionamentos familiares felizes.

Otimismo absoluto foi representado por ter o oponente do projeto otimismo para si mesmo sem comparar com outros alunos; otimistas comparativos eram esperados em ter resultados mais positivos do que outros alunos. Os participantes avaliaram então os reclamantes em cinco traços de afetuosidade (Perdão, honestidade, amor e educação) e cinco refletindo competência (ambição, alegria, competência, independência e intelecto). Eles também avaliaram o quanto gostariam de estar em torno desses indivíduos. No segundo experimento, os requerentes também indicaram se teriam resultados mais favoráveis, não apenas comparados com os outros alunos, mas comparado com o participante eles mesmos.

As pessoas classificaram os otimistas comparativos menos afetuosas do que os otimistas absolutos e, como resultado, não quiseram se filiar a eles. E no segundo experimento, com a característica adicionais de ter otimistas relativos acreditarem que eles estavam em melhor situação do que os participantes, forneceu o teste completo da hipótese de arrogância, porque os resultados esperançosos esperados pelos requerentes veio às custas dos próprios participantes.

Os autores concluíram, portanto, que “o otimismo perde seu apelo quando é expresso de forma comparativa e absoluta e que o faz porque expressões comparativas de otimismo sugerem que o requerente vê o futuro dos observadores com tristeza” (p.9).

Ironicamente, a maioria das pessoas prefere se ver como “melhor” que a média das pessoas que, naturalmente, é uma impossibilidade.

O que acontece com a hipótese de arrogância é que não gostamos quando alguém expressa abertamente esse ponto de vista.

É bom pensar que você é mais sortudo, mais feliz ou mais simpático do que os outros, mas se por acaso você disser isso em voz alta, vai acabar enfrentando o resultado oposto.

Uma razão pela qual não gostamos de ouvir os outros se gabarem em termos relativos sobre suas qualidades é que, como observa a equipa belga, sempre estamos a processar informações sobre outras pessoas através dos olhos um pouco egocêntricos de nossas auto-imagens.

Se a mãe de seu melhor amigo está constantemente tentando mostrar o quanto cozinha melhor que todos, você não irá querer jantar lá, não importa o quão bom a comida realmente seja. Sua tendência de se autopromover coloca sua mãe, ou talvez você mesmo, parecer inferior. Ela não saberá o quanto o ofendeu e ficará perplexa quando você recusar convites que parecem tão bem intencionados.

Em suma, sabemos que se gabar é o tipo de comportamento que a maioria de nós prefere evitar ser exposto.

Esses estudos sobre o otimismo comparativo mostram, além disso, que é a exaltação feita às custas de outros que torna isso algo tão censurável.

O otimismo certamente é um caminho bem conhecido para a realização pessoal. Desde que você o expresse sem comparação aos outros.

Assim você será capaz de fazer pleno uso de suas vantagens.


Direitos autorais da imagem de capa: adam121 / 123RF Imagens

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Psychology Today

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.