Comportamento

Vídeo mostra Henry Borel mancando após suposta agressão

Sem Titulo 1 10

Acredita-se que a filmagem retrate as agressões que o menino vinha sofrendo no apartamento em que vivia com a mãe e o padrasto.



O caso da morte do menino Henry Borel tem causado grande indignação no país. Uma filmagem obtida recentemente pode ajudar a comprovar toda a violência e sofrimento a qual o menino foi submetido antes de sua morte.

Informações apuradas pelo G1 revelam que o vídeo foi enviado pela babá do menino, Thayná Oliveira Ferreira à Monique Medeiros no dia 12 fevereiro, mesmo dia em que a ex-funcionário contou a mãe do menino que Jairinho, seu marido, havia se trancando com Henry no quarto.

Nesse mesmo dia, o menino tinha reclamado que estava com dor de cabeça e também ao caminhar.


No dia seguinte, Monique o levou a um hospital de Bangu, e contou que o filho havia caído da cama no dia anterior Às 17h, mesmo horário em que conversava com a babá sobre as supostas agressões ao filho.

A polícia tinha dúvidas sobre o que realmente havia acontecido no dia 12 e agora, com o vídeo, pretende esclarecer o porquê Jairinho, Monique e a babá não mencionaram a ida do menino ao hospital no dia 13 em seus depoimentos:

Thayná deu um novo depoimento à polícia na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca no último dia 12 de abril. No novo depoimento, que teve duração de mais de 7 horas, a mulher conta que mentiu em seu primeiro depoimento aos investigadores.

Dessa vez, ela contou que tinha conhecimento das agressões, e ainda acrescentou que que Monique a pediu para mentira para a polícia.


Nesse mesmo dia, Monique, que está presa em Niterói, teve dores no abdômen ao urinar e foi levada até o Hospital do Complexo de Bangu. Ela foi diagnosticada com infecção urinária, tomou os devidos medicamentos, e retornou ao Instituto Penal Ismael Sirieiro.

Também no dia 12, no começo da noite, Monique trocou de advogado. O nosso responsável pelo caso é Thiago Minagé, que já trabalhou na defesa do ex-deputado Eduardo Cunha. O antigo advogado da mulher, André França Barreto, segue defendendo Jairinho, também preso.

Na madrugada de 8 de março, Henry Borel, de apenas 4 anos, chegou morto a um hospital da Zona Oeste do Rio, apresentando hemorragia e edemas pelo corpo. A mãe e o padrasto do menino são suspeitos de homicídio duplamente qualificado, além de ameaçar as testemunhas e tentar atrapalhar as investigações.

Compartilhe o texto nas redes sociais.


Meghan Markle expõe fatos da Família Real sobre “preocupação” com tom de pele de seu filho

Artigo Anterior

Reconstituição do caso Henry mostra que menino sofreu 23 lesões por “ação violenta” no dia da morte

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.