Família

A genética causou falta de cabelo na filha de 4 anos. Mãe decide pintá-los de rosa e dá lição de amor-próprio

Mãe diz que faria qualquer coisa para mostrar à sua filha como ela é linda. Sua atitude demonstra um profundo amor e dedicação pela pessoa mais importante da sua vida.



É mais do que óbvio que a maioria das mães são capazes de fazer tudo pelos filhos para que cresçam da melhor forma possível. Essa história é de uma mulher que não conseguia mais ver o olhar triste e choroso da filha por causa dos cabelos que não cresciam.

Sua pequena garotinha de 4 anos nasceu com uma alteração genética que não permite o crescimento dos cabelos. Eles sempre estão curtinhos, e para a menina, é motivo de vergonha e descontentamento.

Janelle Cuilla passou pelo mesmo quando era criança e tentou de todas as formas fazer com que sua filha não ficasse com algum trauma. Aos 4 anos, a menina chorava toda vez que era confundida com menino por causa do comprimento dos fios.


A mãe contou ao Love What Matters que, mesmo com tão pouca idade, a filha já havia experimentado o bullying, pois outras crianças riam e apontavam para ela, dizendo que não poderia brincar de princesa porque não tinha os cabelos compridos e que parecia um garoto.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

O coração da mãe apertou ao ver o quanto aquele momento foi significativamente doloroso para sua filha. Depois de respirar profundamente, a mãe lhe deu um abraço longo e agradável, pois era o que cabia naquela situação. Tentava encontrar palavras perfeitas para consolar o coração machucado da pequena.

Jenelle disse que Deus faz todas as pessoas de maneira especial. Se todos fossem iguais, o mundo não seria interessante. Comparou com as flores, o quanto umas têm pétalas grandes e outras, bem pequenas, e nem por isso deixam de ter sua beleza. Todas são lindas e especiais.


Infelizmente não foi a última experiência com isso. Quanto mais velha ficava, mais seus olhinhos estavam tristes. Ela chegou a puxar o cabelo, implorando que crescesse igual ao da sua personagem favorita, a Rapunzel. Pense como deve ser difícil para uma mãe ver o sofrimento de sua filha com tão pouca idade.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Mesmo com as palavras de ajuda e carinho, evidenciando que o mundo a amaria pela essência e não aparência, a pequena garotinha ainda estava triste. É compreensível, visto que todas as suas colegas de classe tinham o cabelo comprido e ela não. Janelle decidiu colocar um fim ao sofrimento da pequena, e encontrou uma maneira muito legal de fazer isso.

Já que não tinha como fazer o cabelo dela crescer do jeito que gostaria, a mãe inovou pintando-o de rosa. Queria que sua filha se sentisse única, linda e especial. Foram ambas à loja e deixou que a menina escolhesse sua cor favorita. E o rosa deu o tom de alegria que ela tanto precisava!


Direitos autorais: arquivo pessoal.

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Quando começaram a pintar, seu rosto iluminou-se. O riso e a alegria tomaram conta do rostinho inocente da garota. Depois que terminaram, a pequena olhou orgulhosa do seu cabelo e agradeceu à mãe, que emocionada disse que agora ela poderia ver o quanto é linda.

Janelle finaliza afirmando que, caso apareçam comentários negativos sobre pintar o cabelo de uma criança, ela garante que é algo temporário e não se arrepende da decisão. Viu o quanto sua filha voltou à vida depois dessa mudança.


Ela declara que se as pessoas a julgarem, não se importa, pois quem escutava uma criança de 4 anos orar a Deus pedindo desesperadamente um cabelo bonito e comprido era sua mãe, e não os outros. Quem puder entender como algo tão simples devolveu a confiança e a alegria para sua filha não será capaz de opinar negativamente.

A mãe orgulhosa e feliz conclui que é necessário pensar fora da caixa e ser criativo para que seu filho tenha esse exemplo. A solução mais simples é a que faz toda a diferença!

Pai decide fazer curso de barbeiro e corta cabelo do filho autista que tem medo de ir ao salão

Artigo Anterior

“Eu odeio ser mãe, é estressante. Sou apegada aos meus filhos, não à maternidade”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.