publicidade

Mãe dá à luz durante tratamento de quimioterapia: “A vida, às vezes, é mais forte do que tudo”

Sabrina havia recebido a notícia de que não conseguiria mais ter filhos. Mãe de três, ela ficou surpresa quando descobriu que já estava grávida, no quinto mês, enquanto fazia quimioterapia.



O tratamento contra o câncer é algo complexo, que mexe tanto com o físico quanto com o emocional dos pacientes, exigindo procedimentos muitas vezes agressivos e até mesmo limitando a vida de algumas pessoas em muitas esferas. A enfermidade, por si só, já é capaz de deixar os indivíduos mais fragilizados, mas quando a medicação é forte demais, pode acarretar mudanças inimagináveis na sua rotina.

Sabrina, de 35 anos, luta contra o câncer de mama desde 2017, o que inclui duas operações. Mãe de três crianças, seu médico já havia adiantado que o tratamento faria com que ela não pudesse ter outros filhos, tamanha agressividade. Como a quimioterapia e a radioterapia se tornaram constantes, e a gravidez era considerada por todos os especialistas improvável, ela não prestou tanta atenção aos métodos contraceptivos, como costumava fazer.

Numa consulta de rotina, com sua ginecologista, teve uma surpresa: estava no quinto mês de gravidez! Sabrina havia notado inchaço no abdômen, mas atribuía aquilo ao tratamento, sem dar tanta atenção aos sinais de gestação.

Toda a equipe médica ficou incrédula com a situação, pois as chances eram baixíssimas.

O ginecologista Vicenzo Minnella, segundo reportagem do jornal Palermo, explica que as pacientes afetadas pelo câncer de mama precisam passar por verificações periódicas, para avaliar o estado geral do sistema genital. Ele revela que o que encontraram em Sabrina, felizmente, era tudo, menos ruim, era uma vida que crescia dentro de seu corpo.


Direitos autorais: reprodução/Policlínica Paolo Giaccone de Palermo.

Logo uma equipe multidisciplinar passou a atender a gestante, pensando no seu bem-estar e buscando as melhores formas de o tratamento não ser prejudicial para o bebê. A decisão foi de interromper o tratamento de Sabrina, sem que isso lhe causasse mais danos, e agora, após o nascimento da criança, ela já está liberada para retomar as sessões de quimio e radioterapia.

Toda a família recebeu a notícia com muita felicidade, e os três filhos (duas meninas e um menino) estavam ansiosos pela chegada do novo membro.

Sabrina reconhece que precisará continuar com seu tratamento, mas também explica que isso tudo foi a prova de que a vida, muitas vezes, é mais forte do que tudo, e prevalece mesmo quando existe sofrimento.


Direitos autorais: reprodução/Policlínica Paolo Giaccone de Palermo.

Giuseppe nasceu com 3,600 kg, no dia 15 de março, na Policlínica Paolo Giaccone de Palermo, na Itália, e está em perfeito estado de saúde. A mãe destaca que jamais se deve parar de lutar, e fala para todas as pessoas que passam por uma doença como a dela ou que desejam muito ter um filho, que ela existe para ser um exemplo de que os sonhos ainda podem se tornar realidade, basta ter confiança e esperança de que se conseguirá passar por esse período difícil.

Um forte relato de Sabrina!

Comente abaixo o que você acha e compartilhe essa história nas suas redes sociais!

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.