Família

Pai sai em defesa do filho que, aos 4 anos, é um menino trans. Pede que aceitem as diferenças

Ele revelou que seu filho disse, aos 2 anos de idade, que não era uma menina. Ele e a esposa aceitaram a vontade da criança e hoje Stormy se expressa como garoto.



Matthew Stubbings contou sua história para o mundo ao revelar que seu filho, de 4 anos, é um menino trans. Para muitos, é um assunto considerado tabu, mas ele e sua esposa refletiram sobre o quanto é importante e necessário conversar sobre isso com o maior número de pessoas.

O pai deu uma entrevista ao Daily Mail, ao qual contou sobre Stormy, seu filho transgênero, de 4 anos. Disse que a criança nunca se identificou com mulher. Desde os 18 meses de idade que Matthew e sua esposa perceberam que o filho já conhecia seu gênero.

No Linkedin, seu pai compartilhou a história para aumentar a conscientização de que esse assunto não deve ser tratado como algo ruim e para ajudar outras famílias a não sofrer com preconceito e se sentir sozinhas.


Stormy é considerado a criança trans mais nova do Reino Unido. Ele nasceu gêmeo, do sexo feminino mas, aos 18 meses, começou a mostrar sinais de identificação como menino. Matthew disse que a criança odiava tranças, vestidos e sapatos bonitos. Com 2 anos e meio, disse à família que não era uma menina.

A mãe Klara Jeynes conversou com Matthew e decidiram que, depois do terceiro aniversário do filho, deveriam tratá-lo da forma como ele queria. No entanto, a família disse que ainda enfrenta grandes dificuldades para fazer com que adultos aceitem a decisão do filho e insistem em tratá-lo como menina.

Assim que Stormy conseguiu se expressar em palavras que não se sentia como uma garota, pai e mãe o aceitaram, e começaram uma jornada para que a decisão do seu filho fosse respeitada.


Em sua postagem no Linkedin, Matthew inicia dizendo que esse é um de seus filhos, um menino brilhante, que ama a vida. O que não sabem é que ele nasceu como menina, mas não se vê como uma. Sua identidade de gênero está na cabeça, que não combina com o seu sexo biológico.

Direitos autorais: reprodução Linkedin/Matthew Stubbings.

O pai continua seu relato, mostrando-se muito orgulhoso por seu filho não se limitar por normas e preconceitos da sociedade. Stormy tem 4 anos e sabe exatamente quem é. Todos da família aprendem algo com ele todos os dias.


Ele acrescentou que as pessoas precisam aceitar que existem diferenças entre nós e não é benéfico forçar aqueles que estão ao nosso redor a se encaixar no padrão que convém. “Aceitar os seres humanos pelo que são é a única maneira de encorajar o novo, abraçar o crescimento e aproveitar o melhor”, relatou.

Muitos comentários elogiaram a conduta inspiradora do pai, ainda mais falando sobre um assunto polêmico. Os pais do pequeno Stormy acreditam que, quanto mais se falar sobre a transexualidade, mais as pessoas entenderão que não é um problema.

Mesmo com a aceitação da família, Stormy foi levado para consultas psicológicas, para que a família conseguisse orientações de como se portar daqui para a frente. Foi explicado a eles que o filho ainda está registrado como uma menina e seu nome na certidão de nascimento. Precisarão esperar até que ele tenha 10 anos ou começar a puberdade para mudar a documentação.


Em sua publicação, Matthew continua explicando que os desafios seriam menores se todos entendessem a situação e não a tratassem como um erro. Embora as pessoas tenham reagido positivamente ao que compartilhou, ainda há muito preconceito, que só causa dor e sofrimento.

Explicar o que é um menino trans é mais difícil para os adultos do que para crianças. Os pais de Stormy disseram que os problemas que enfrentam são com as pessoas mais velhas, que em muitas ocasiões insistem em chamá-lo de menina. Isso é difícil porque constrange se referir a alguém que não gosta de ser visto assim. A aceitação por parte dos adultos ainda é complicada.

Os pais querem que discussões saudáveis sejam feitas, para não se preocuparem tanto pelo fato de o filho começar na escola em setembro, já que foram forçados a incluir o nome de registro na matrícula. Além disso, há a questão dos banheiros, que pode se transformar num problema.


São muitos desafios que, segundo os pais de Stormy, não precisariam passar se a sociedade fosse mais igualitária e consciente. As pessoas dizem que são a favor da inclusão de todos para que sejam aceitas por si e pelos outros.

Amigas, com corpos diferentes, mostram como usam as mesmas roupas. A beleza está em todas as formas!

Artigo Anterior

“Não desisti, só ganhei!” Mãe rebate críticas sobre desistir da vida para criar 6 filhos

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.