Família

Rapaz adotado há 30 anos por homem gay tornou-se atleta: “Sem ele, eu não estaria onde estou hoje”

Jordan Windle foi adotado aos 18 meses, no Camboja. Hoje é um exímio atleta e causa muito orgulho a seu pai. Conheça esta história!



Jerry Windle disse que sempre quis ser pai, mas imaginou que, por ser homossexual e solteiro, não conseguiria adotar uma criança, principalmente na década de 1990, onde o preconceito falava muito alto.

Em entrevista para o Today, ele relembra que, ao folhear uma revista, viu uma história sobre um homem que adotou uma criança no Camboja, e no texto não mencionava uma mãe. Isso ficou na sua cabeça e viu que, no final da matéria, tinha um número de serviço para adoção.

Ele ligou e disse que tinha acabado de ler um artigo sobre adoção e gostaria de saber se era possível apenas uma única pessoa adotar um filho. Com a resposta afirmativa, Jerry não mediu esforços e meses depois foi ao Camboja, lá encontrou Jordan, de 1 ano, muito debilitado, desnutrido e lutando para se manter vivo.


O amor foi à primeira vista e Jerry o adotou. Hoje, 30 anos depois, a criança desnutrida e cheia de infecção está nas Olimpíadas, deixando seu pai extremamente orgulhoso. Jordan Windle está representando os Estados Unidos na equipe olímpica de mergulho.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@jordanpiseywindle

Embora seu pai não possa estar em Tóquio (Japão) para vê-lo competir, o atleta diz que está muito animado. Ele contou também que costuma ouvir seu pai da plateia, e que não tê-lo por perto será diferente, mas não mudará o fato de que ele busca dar um show para todos e espera deixar seu pai muito orgulhoso.

Quando Jordan tinha 7 anos, um conhecido de Jerry disse que ele parecia um lendário mergulhador, chamado Greg Louganis. O pai desse conhecido tinha sido treinador olímpico de Louganis e treinou a equipe dos Estados Unidos ao longo de oito Jogos Olímpicos.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@jordanpiseywindle

Perguntou se Jordan gostaria de fazer algumas aulas, ele afirmou que sim e foi a partir daí que sua jornada atlética começou. Ganhou seu primeiro campeonato aos 9 anos, o que era algo louvável para uma criança que acabava de ingressar no esporte.

O pai se orgulha muito do filho e diz que o trabalho árduo foi todo dele e da comissão técnica, e que merecia estar nas Olimpíadas. Antes disso, o atleta passou por vários jogos e eventos, e aos 16 anos, voltou ao Camboja para competir numa exposição de mergulho. À chegada, pai e filho foram ovacionados, havia muitas pessoas querendo conhecê-lo, pois o mergulhador é considerado um herói nacional.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@jordanpiseywindle


Por causa do amor incondicional, Jerry conseguiu dar a Jordan uma oportunidade única de vida, fazendo com que ele se tornasse a estrela da modalidade, além de ser a esperança de muitas crianças que vivem em orfanatos.

Jordan faz questão de evidenciar seu pai em toda a sua trajetória de vida. Ele fez parte de um evento para órfãos e crianças em idade escolar e contou sobre sua experiência e como seu pai foi a peça principal para que ele se tornasse a pessoa que é hoje, dizendo que esperava que todas aquelas crianças tivessem a mesma oportunidade que seu pai lhe deu.

Mesmo que esteja representando os Estados Unidos, Jordan afirmou que, em seu coração, representa o Camboja, até tatuou a bandeira no país natal no braço para que todos vissem quando ele fosse mergulhar.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@jordanpiseywindle


O mais lindo dessa história é ver o quanto o amor de um pai ressignifica a vida de uma criança, fazendo-a se tornar única e verdadeiramente feliz. Que essa história seja um belo exemplo de como ser pai está instaurado no coração!

Atleta critica apresentação de ginasta masculino e declara: “Meus filhos nunca verão isso”

Artigo Anterior

“Posso reclamar da maternidade e ainda amar meus filhos. Isso não me torna ingrata, e sim humana”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.