Santo Antônio “casamenteiro” e protetor dos humildes, conto com a sua graça e o seu amor!

Aqueles que acreditam em Santo Antônio encontram o amor com que tanto sonham e a proteção contra todos os males do corpo e da alma.



Conhecido como o “santo casamenteiro” e padroeiro dos humildes, Santo Antônio de Pádua, também conhecido como Antônio de Lisboa, dedicou sua vida a ajudar os mais necessitados e a espalhar o amor por meio da fé. Sua trajetória começou em Lisboa (Portugal), onde nasceu no ano de 1195, sendo batizado como Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo.

Desde criança, o pequeno Bulhões aprendeu a fazer caridade com a mãe, Teresa, e o seu tio, o cônego Fernando, que o incentivava a seguir os preceitos cristãos e contava com sua ajuda na missa para distribuir pães aos pobres.

Quando era ainda adolescente, o jovem Bulhões ingressou no Mosteiro de São Vicente dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, mesmo contra a vontade de seu pai. Lá ele morou por dois anos, período em que pôde estudar Filosofia e Teologia, em Coimbra (Portugal), até ser ordenado sacerdote.

Nessa época, ele ficou sabendo do assassinato de cinco freis franciscanos, no Marrocos, basicamente por tentarem difundir a fé cristã.


Inspirado na história de determinação dos devotos, Fernando ingressou na Ordem dos Frades Menores de São Francisco, aos 25 anos, e foi viver no lugar dos freis mortos. Nessa época, ele abandonou o nome de batismo e começou a usar o nome religioso de Antônio, enquanto atuava como missionário. No entanto, em 1221, após chegar ao Marrocos, teve uma febre grave e precisou voltar para Portugal.

Porém, no caminho, a embarcação foi levada pelas rajadas de vento para a Sicília, no sul da Itália, onde Antônio passou a viver. Lá, participou de um encontro com mais de 3 mil frades para ouvir São Francisco.


A reunião ficou conhecida como “Pobre de Assis”, onde conseguiu a autorização para ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho.

Seu maior destaque foi na vivência e pregação do Evangelho e auxiliar no combate à seita dos cátaros e albigenses, que viviam uma falsa doutrina e pobreza.

Santo Antônio foi franciscano por toda a vida, até se abater com uma inesperada doença, aos 36 anos, em Pádua, na Itália, daí surgiu o complemento de seu nome santo.


Reza a lenda que suas últimas palavras teriam sido “Ó Virgem gloriosa, que estais acima das estrelas, estou vendo o meu Senhor”.

Milagres 

Muitos milagres são atribuídos a Santo Antônio, um dos mais conhecidos teria ocorrido enquanto ele pregava em Rímini, na Itália, e um grupo de hereges não lhe dava a devida atenção. Ele então teria dado as costas ao povoado e ido a uma praia, onde começou a falar para os peixes do mar sobre o milagre de Jonas e a baleia e os preceitos cristãos: “Bendizei ao Senhor, vós, que sois também nossos irmãos.” Depois de ouvir o sermão, os peixes teriam voltado para a água. Desta forma, Antônio converteu muitos moradores de Rímini.

Durante suas pregações nas praças e igrejas, muitas pessoas surdas, cegas e doentes, por exemplo, teriam sido curadas.


Santo casamenteiro

A fama de “casamenteiro” de Santo Antônio deve-se aos seus milagres. Entre algumas das lendas que justificam essa denominação está a história de uma jovem que fez uma promessa a Santo Antônio e colocou sua imagem na janela, à espera de um noivo. Mas como ela não era atendida, jogou a estátua na calçada. Na queda, a imagem acabou caindo na cabeça de um rapaz e, por causa do acidente, os dois se apaixonaram e se casaram.

Daí o hábito de muitos fiéis colocarem o santo de cabeça para baixo, dentro da água e virado contra a parede, como uma forma de puni-lo até que o desejo seja alcançado.

Santo Antônio também arrecadava doações para ajudar as moças mais pobres a montarem o enxoval de seu casamento. Desde então ele passou a ser conhecido como protetor dos namorados e das solteiras.

Padroeiro dos humildes 

Santo Antônio também é alçado como o “padroeiro dos humildes” e protetor dos pobres devido à maneira simples como viveu. Ele distribuía pão e outros alimentos aos menos favorecidos.

No dia de Santo Antônio, 13 de junho, algumas igrejas costumam distribuir pãezinhos e até bolos com alianças. Diz o costume que os sortudos que encontrarem a aliança em seu pedaço de bolo se casam em breve.

Oração a Santo Antônio 

A vós, Antônio, cheio de amor a Deus e aos homens, que tiveste a sorte de estreitar entre teus braços ao Menino-Deus, a ti cheio de confiança, recorro na presente tribulação que me acompanha (diga o problema que o aflige). Peço-te também por meus irmãos mais necessitados, pelos que sofrem e pelos oprimidos, pelos marginalizados e aqueles que, hoje, mais necessitam de sua proteção. Fazei com que nos amemos todos como irmãos e que no mundo haja amor e não ódio. Ajudai-nos a viver a mensagem de Cristo. Vós, em presença do Senhor Jesus, não cesses de interceder a Ele, com Ele e por Ele a nosso favor ante o Pai. Amém.

 

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

União perfeita: os casais formados por estes quatro signos são os mais fiéis!

Artigo Anterior

Casados há 58 anos, Glória Menezes e Tarcísio Meira provam que o amor não tem idade

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.