Lei da Atração

Visualização criativa

A maior descoberta da minha geração: que os seres humanos, ao alterarem as atitudes interiores da sua mente, podem mudar aspectos exteriores da sua vida. (William James)



____

Patrick Fanning, em seu livro Visualizar para Mudar diz que cinco minutos de visualização podem eliminar horas, dias, ou mesmo semanas de pensamentos negativos. Ele sugere sessões de cinco minutos por dia podem mudar um hábito que levou anos para se formar e se fortalecer. Ele sugere o tratamento de 21 dias…

Muitos de nós nos perguntamos: o que é visualizar?


É como sonhar, meditar, ou algo parecido com hipnose, ou experiência mística, ou religiosa?

Bem, a definição: a criação consciente intencional de impressões sensoriais mentais, tendo em vista a transformação.

A primeira palavra é criação, que envolve todo o processo criativo, que, normalmente, é fantástico ou impossível. Visualizar um problema não é pensar nele.

A segunda palavra, consciente, separa a visualização dos sonhos, pois esses ocorrem num estado inconsciente.


E, na visualização, eu escolho, conscientemente, de uma forma intencional o lugar, o objetivo e o conteúdo da minha visualização.

A expressão impressões sensoriais mentais serve para nos lembrar que a visualização não implica ver, mas gerar imagens mentais, que podem aparecer. Na forma de sons, sabores, aromas, sensação de calor, frio, textura e assim por diante. Quanto mais eu utilizar os meus sentidos para perceber esta visualização,mais potente ela será.

Tipos de visualização:

Visualização receptiva: Envolve ouvir inconscientemente. Essa é a forma mais simples no qual fechamos os olhos, relaxamos e esperamos ver o que surge na nossa mente.


Podemos definir, inicialmente, uma cena básica ou fazer uma pergunta e esperar que a resposta apareça. É particularmente útil para analisar as resistências a algumas mudanças de vida, para revelar os verdadeiros sentimentos, quando nos encontramos ambivalentes, ou para trazer a luz imagens ou símbolos pessoais de mudança, esclarecendo o que realmente estamos defrontando.

Visualização programada: Diferente da visualização receptiva, quando ouvimos o inconsciente, a visualização programada implica conversar com ele. Explicamos e criamos detalhadamente o que desejamos ver, ouvir, sentir e manipulamos o que criamos a partir de um roteiro pré-determinado. Permanecemos num certo controle consciente.

Esta visualização se mostra adequada a consecussão de metas, a melhora de desenvolvimento atlético, aceleração de cura de lesões e a intensificação de imagens em geral.

Visualização dirigida: Na verdade, esta é uma combinação das duas anteriores. Uma cena é detalhadamente definida, deixando de fora certos elementos cruciais, que serão determinados pelo subconsciente. A maior parte das visualizações é desse tipo.


Regras para uma visualização eficaz:

Basicamente, criar, manipular e intensificar as impressões sensoriais positivas. Para facilitar, Flamming sugere outras regras.

1) Deitar-se: segundo ele a posição ideal é a deitada, pois é a mais relaxante. Você pode inclusive fazer um relaxamento para sentir o seu corpo mais confortável. Nunca cruze mãos nem pés.

2) Fechar os olhos suavemente sem apertar as pálpebras para que elas não fiquem travadas. E alguns sugerem que vire-se o globo ocular ligeiramente para cima e para dentro. Segundo experiências, aumentam as ondas alfas cerebrais. Mas o importante é fechar os olhos, impedindo a entrada do mundo exterior e dos inúmeros que atraem e estimulam a nossa atenção.


3) Relaxar: essa é a regra mais importante de todas. Mais da metade dos benefícios da visualização provém de um simples relaxamento. Quando você relaxa, seu cérebro produz também ondas alfa, que estão associadas a sentimentos de bem-estar e a uma percepção mais intensa, criativa e receptiva a sugestões positivas.

4) Criar e manipular impressões sensoriais: use todos os sentidos; a visão costuma ser o sentido predominante nos seres humanos de modo que chamamos de visualização; mas aqueles que são auditivos ou olfativos, gustativos, táteis, sonoros terão outros tipos de percepção.Transforme as abstrações e a linguagem em imagens. Por exemplo, se você for pensar numa palavra procure sentir esta palavra, ouvir alguém pronunciando, visualizá-la na forma de um símbolo, de uma cor, de um cheiro. Confie na sua intuição. Nada é mais importante do que seguir o seu coração ao decidir como estruturar a sua visualização, determinar quais técnicas usar, quais imagens escolher ou quais seqüências a seguir.

5) Intensificar e aprofundar: aprofunde o relaxamento. Isso acontece naturalmente a medida que se envolve cada vez mais com as imagens. Mas você pode se distrair ou ficar tenso devido a imagens negativas. Dedique então um momento para aprofundar o relaxamento, inserindo algumas imagens que favoreçam esse estado. Intensifique as percepções sensoriais, acrescentando detalhes, movimentos, profundidade, estilo, contraste. 

Faça um intercambio entre os diferentes sentidos, ver, ouvir sons, ouvir a direção dos sons, saborear, sentir o cheiro, tocar o duro ou o macio, tocar o áspero ou o suave, tocar o quente ou o frio, tocar o molhado ou o seco, tocar a si mesmo ou outra pessoa, sentir os diversos tipos de dor, sentir o movimento do corpo,sua posição no espaço, incluindo o senso de equilíbrio e a sensação de vertigem.


Sentir as sensações internas, náusea, fome, fadiga, sensação característica associada a emoções, como o medo, a raiva, a depressão, a excitação.

Tire vantagem do fato de que todos os seus sentidos trabalham em conjunto para confirmar e completar as impressões. 

Inclua emoções. Se surgirem emoções contraditórias ou negativas, enquanto você estiver visualizando, conceda-se mesmo algum tempo para vivenciá-las e explorá-las. 

Mas se começarem a ficar muito forte afaste-se da cena e visualize uma outra.Se as imagens dolorosas persistirem encerre a sessão. Crie metáforas.


Essa técnica encontra-se no cerne da visualização. A visualização eficaz não progride racionalmente.

Acrescente detalhes às metáforas, adornando-as com símbolos. Esta é a linguagem mais rica para o seu inconsciente.

6) Enfatizar o aspecto positivo no presente: encerre cada sessão com uma visualização positivamente. Sinta que vai divertir-se e se dar bem. Caso não veja ou sinta alguma coisa que está procurando, imagine que ela está presente. Veja a si mesmo bem no futuro. Inclua conseqüências positivas de alcançar a sua meta. Veja-se a si mesmo, praticando aquilo que você deseja. Tenha um visão global. É de grande utilidade ver o universo, como um sistema que colabora com os teus desejos. Crie um contexto no mundo, um lugar onde isso está se realizando.

7) Suspender o julgamento: aguarde o inesperado. Não tente criar uma visualização. Deixe que o seu


cérebro criativo te surpreenda. Aceite o que receber. Nenhuma situação é má ou errada. Confie em você mesmo.Todos os especialistas podem oferecer imagens para serem usadas para esse ou aquele objetivo, porém a melhor imagem é aquela criada por você mesmo.

8) Explorar a resistência: cada vez que você usar a visualização para responder uma pergunta, resolver um problema, pergunte a si mesmo se realmente deseja obter a resposta e quer resolver esse problema. Você sente que merece o que procura? Você está disposto a aceitar qualquer coisa que surgir, mesmo que não se pareça com o que você esperava? Se você acha que está resistindo a essas perguntas, investigue e resolva: primeiro, a resistência. Você precisa ter uma atitude positiva e unidirecional para conseguir os melhores resultados.

9) Usar afirmações: afirmar alguma coisa é torna-la firme, dá-lhe forma, substância e permanência. A afirmação é uma declaração forte, positiva e fecunda de que algo já é de determinada maneira. Ela deve ser simples, curta e destituída de limites. Como as afirmações funcionam? As afirmações reprogramam ou substituem as declarações negativas que povoam a sua mente. Elas também atuam como lembretes para que você suspenda o seu julgamento e ponha as dúvidas de lado.

10) Assumir a responsabilidade: a visualização é uma maneira de estabelecer um senso de controle na sua vida. Esse último é uma parte essencial de física e emocional. Você deve assumir responsabilidade por aquilo que você cria através da sua visualização, pois você é responsável pela sua vida. Até mesmo por aquilo que parece acidental ou fora do seu controle. Você é a causa da sua vida. Seja Ético!

11) Praticar sempre: a visualização é uma ferramenta para mudança que fica mais afiada com o uso. Você deve usá-la diariamente para diversos tipos de mudança. As primeiras imagens poderão parecer monótonas e sem vida, como meras descrições verbais que atravessam a sua mente, você terá a impressão de estar inventando tudo. Mas com a prática elas ficarão mais vívidas e parecidas com o verdadeiro ver, ouvir e tocar.

12) Ser paciente: a visualização é uma técnica que leva tempo para ser aprendida.É como qualquer outro aprendizado. E isso inevitavelmente requer tempo e progride através de uma série de etapas e não numa progressão retilínea. Lembre-se!

13) Utilizar ajuda quando útil: existem muitas coisas que podem estimular a visualização enquanto ela ocorre: a música, instruções gravadas em fita, sons da natureza, como o da rebentação das ondas, o canto dos pássaros, máscaras para dormir, tampões de ouvido, chacoalhar ou batucada rítmica, focalizar um iantra, entoar um mantra.
Além do que você pode enriquecer sua visualização, incorporando imagens ou histórias compiladas de suas leituras de contos de fada, folclore primitivo, psicologia, mitologia, arqueologia, religião e etc.

As antigas tradições dizem que devemos ter um mestre, um conselheiro,guru ou guia. Até mesmo um colega para ajudar a dominar uma disciplina mental. Não importa como você o chame, mas é extremamente últil ter alguém para conversar e compartilhar as dificuldades ao praticar as visualizações.Não sÃo para ajudar a alcançar a profundeza do seu entendimento, como também para nos trazer inspiração.

Um outro auxílio bastante útil é um diário das suas visualizações. Registrar essas experiências, pensamentos e sentimentos gerados, são de grande utilidade.

COMO FUNCIONA A VISUALIZAÇÃO CRIATIVA

Para compreendermos melhor o processo é bom lembrarmos de algumas coisas. O universo físico é energia. A física nos ensina que tudo que está a nossa volta é constituído de energia. A energia vibra com freqüências diferentes e, portanto, apresenta-se em formas diferentes. A energia é magnética. E uma das suas leis é que determinada espécies ou vibrações tende a atrair energias do mesmo tipo. A forma segue-se às idéias. Um pensamento ou idéia sempre precede à sua manifestação. O simples fato de você ter uma idéia e conservá-la na sua mente, é uma energia que tenderá a atrair e a criar a forma em que estão no plano material. A lei da radiação e da atração diz que colhemos o que semeamos.

Do ponto de vista prático, significa que atraímos para nossa vida as coisas que pensamos com maior freqüência e com maior força e que desejamos com mais ardor, e mais vividamente imaginamos.

Porém, quando estamos pessimistas, receosos, inseguros e preocupados, tendemos a atrair esses mesmos acontecimentos, situações ou pessoas que procuramos evitar.

Como vimos, a visualização criativa é um processo. E a mudança não ocorre superficialmente através de um mero pensamento positivo. Na verdade, ele envolve uma série de explorações, descobertas e alterações de nossas atitudes básicas em relação a vida. É por isso que o uso da visualização criativa pode vir a transformar-se num profundo e significativo processo de crescimento.

Durante esse processo, muitas vezes descobrimos como estamos impedindo o nosso próprio potencial de se realizar plenamente. E prejudicando a nossa capacidade de obter satisfação com a vida devido aos nossos temores e sentimentos pessimistas.

Segundo o Joseph Murphy, no livro A magia do poder extra sensorial, nós podemos mudar sim qualquer pensamento negativo, fazendo afirmações positivas várias vezes durante o dia.

Por Fabiana Viana

 

 

O que você quer ser quando crescer?

Artigo Anterior

As transformações começam conosco

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.