publicidade

Como a meditação prepara a mente para experiências espirituais?

A prática da meditação “mindfulness” (“atenção consciente”) data de pelo menos 2.500 anos atrás, desde as origens do budismo. Desde então, ela já exerceu um papel importante em várias tradições espirituais.



A calma e a conexão com nosso eu interior que são cultivadas com essa meditação certamente são uma parte importante de uma prática espiritual, mas sentimentos de maravilhamento e assombro – o que sentimos quando nos vemos diante de uma vastidão incrível – também são fundamentais para a experiência espiritual. De acordo com uma pesquisa nova, a “mindfulness” pode criar as condições para o sentimento de reverência.

A atenção consciente é o elemento fundamental da experiência espiritual em várias religiões diferentes.

A reverência se define como um sentimento de assombro e fascinação evocado pelo encontro com algo maior que nós mesmos e que transcende nosso quadro de referências habitual. Pesquisas anteriores revelaram que a espiritualidade, a natureza e a arte são os caminhos mais habituais que nos levam a esse sentimento.

“Não podemos apreender [o objeto de nossa reverência] com nossas estruturas cognitivas – ele é grandioso demais”, disse ao Huffington Post o psicólogo Brian Ostafin, da Universidade de Groningen. “Por isso se faz necessária uma adaptação, mudar suas estruturas mentais para compreender o que é aquilo. Esse é o elemento crucial da experiência espiritual em várias religiões diferentes.”


Recentemente Ostafin realizou vários estudos que lançaram luz sobre a relação entre “mindfulness” e reverência, dois dos elementos básicos de muitas tradições espirituais.

Em um dos estudos, ele e seus colegas chamaram 64 participantes, estudantes universitários, para ver uma série de imagens e reagir a elas. Dois conjuntos de imagens foram mostrados a todos os participantes.


Um grupo de imagens foi usado para inspirar reverência (o Grand Canyon, montanhas majestosas, a Terra vista a partir do espaço), e o outro visava inspirar sentimentos positivos (gatinhos, flores, pintinhos).

Os participantes tinham que atribuir “notas” de 1 a 7 a suas reações de reverência e positividade.

Antes de ver as imagens, metade dos participantes ouviram uma fita de áudio de dez minutos de “mindfulness” e a outra metade ouvi uma fita de controle não ligada ao “mindfulness”.

As pessoas que participaram do exercício breve de meditação tiveram uma reação de reverência maior que o grupo de controle, em resposta às imagens que provocavam reverência ou respeito profundo.

Ostafin explicou os resultados como segue:

“O assombro ou reverência profunda envolve essa assimilação – abrir mão de suas estruturas cognitivas para acomodar [o objeto do sentimento de reverência]. E a meditação de mindfulness é um pouco isso também, porque a pessoa presta atenção e pratica a consciência não conceitual, desse modo ficando mais aberta à imensidão que está ali. Você sai de seu quadro referencial limitado, sai dessa ideia pequena do que é o mundo… Você deixa de estar preso em sua própria história.”

“A relação entre meditação e reverência também parece ser mediada pela acomodação”, disse Ostafin. Quando praticamos a meditação de “mindfulness” (cultivando uma consciência focada e não crítica do momento presente), tornamo-nos mais capazes de abrir nossas mentes para entender o sentido de novas vivências.

As descobertas lançam luz sobre o vínculo entre meditação e experiências espirituais e também sugerem que as práticas de meditação “mindfulness” podem ser eficazes para promover sentimentos de assombro e reverência, associados ao bem-estar e criatividade maiores e à redução de inflamações.

As descobertas foram apresentadas na conferência anual da Sociedade de Psicologia da Personalidade e Social, em Long Beach.

Baixe o aplicativo do site O Amor e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.