Amadores da filosofia – uma linda reflexão

4min. de leitura

Dois amigos de infância, se encontraram depois de muitos anos.



E congratulavam-se na companhia um do outro, com um gostoso chá em frente à uma lareira.

Lembravam de suas infância, suas brincadeiras malucas, os monstros debaixo da cama, a guerra de travesseiros, a acusação de trapaça na bolinha de gude, o pipa cortado.

Na adolescência, os “brotinhos” na garupa das motos, calça de couro, a rebeldia.


Confessaram um ao outro que havia um bom tempo que não riam e se divertiam tanto.

Lembraram-se de como gostavam de filosofar, e criar histórias mirabolantes em torno disso.

Lobisomens, Ets, Vampiros, Espíritos e tudo o mais de sobrenatural, saia dali.


Então, em um dado momento começaram a perceber o quanto haviam mudado, quantas idéias na época tão real, agora pareciam ridículas. Lembraram, em quando deixaram de acreditar em Papai Noel, Fada do Dente, Duende…

Perceberam, que a falta de imaginação às vezes pode tornar a vida até meio que sem graça.

Era nítido, que haviam se transformado em algo que nunca imaginaram.

E então, resolveram se confrontarem sobre suas crenças atuais.

Um deles, confessou:

– Ainda mantenho, um espirito filosófico, sou um grande questionador. 

lareira21

Esse falou de um pensamento seu, que não era comum ao meio e contexto em que vivia.

O outro, por outro lado havia tornado-se um cético ferrenho.

E surpreendeu-se com a ideia, achando estúpida ao extremo.

Então, disse:

– Você não pode pensar assim, isso não faz sentido, baseado em que mantém essa linha de pensamento?

– Baseado em minhas experiências – excitou o outro.

– Olha, de acordo com o autor tal, do ano tal, no livro seguinte, essa ideia é cabulosa de acordo com tal tese.

E o amigo respondeu:

– E porque devo acreditar na ideia do Doutor tal, que realizou pesquisas baseadas nas experiências de pessoas tais, e tirou dali sua visão, que também sofreram influencia de sua própria experiência, e abrir mão da minha experiência, porque ele foi reconhecido por Academia tal? Qual sentido há nisso?

E o amador filosófico, foi ainda mais longe:

– Amigo, o que você está dizendo, é que outras pessoas pensaram e os pensamentos delas foram validadas e por essa razão, devo aceitar e pronto. Não devo pensar, por que outra pessoa já pensou por mim?

Finalmente o cético se manifestou:

– Amigo, pessoas matam e morrem para defender idéias que na maioria das vezes nem delas são, não vamos estragar nossa amizade por isso, que tal um bom vinho?

VinhoLareira

E os dois caíram na gargalhada, e depois se distraíram num formidável jogo de xadrez.

Luz e Paz 

Por Maira Vitorinno de Souza – Expansão da Consciência

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.