Motivação

Algumas desilusões são divisores de água em nossa vida

Foto: Pexels
pexels polina zimmerman 3958825

Eu me dei conta de muitas das decepções e desilusões que tive me resgataram. De verdade, minha vida ganhou um divisor de águas positivo após muitas expectativas frustradas.

É possível nos tornamos pessoas melhores depois que “caímos do cavalo”. Isso porque passamos a viver com os pés no chão, deixando de lado certas expectativas que, na realidade, só impediam que entrássemos em contato com o nosso potencial.

As frustrações doem muito num primeiro momento, mas depois que você deixa a auto-piedade de lado, e coloca a racionalidade para funcionar a seu favor, a tendência é que os aprendizados se ampliem e uma nova versão sua venha à tona.

Por exemplo, a crença de que um relacionamento possa resgatar ou promover a autoestima e a felicidade de alguém já foi abandonada por uma infinidade de pessoas. Elas compreenderam que o outro jamais poderá ser responsabilizado pelo conceito bom ou péssimo que elas têm de si mesmas. Essa nova compreensão foi adquirida na prática, hoje elas são livres dessa expectativa. Libertador, né?

Conheço mulheres que se transformaram em empreendedoras; que tiraram carta de habilitação; que ingressaram numa faculdade após os 40 anos ou 50 anos; que se permitiram viajarem sozinhas, com amigas ou filhos, tudo isso após se despirem da passividade de esperar que um companheiro fizesse tudo por elas, ou seja, elas se decepcionaram com promessas e expectativas e colocaram a mão na massa. Muitas, inclusive, estavam cansadas de ouvir dos companheiros ou ex companheiros que elas não eram capazes de realizarem nada. Elas passaram a protagonizar a própria história. As decepções têm esse caráter transformador para quem se dispõe a aprender com ela. Contudo, muitas pessoas preferem ficar presas ao vitimismo, elas focam apenas no lado dolorido da decepção e se esquecem de sacudir a poeira, passam a vida toda acorrentadas naquele episódio e desistem de ir em busca do novo que sempre se apresenta para quem se permite.