Notícias

Boicotado? Alvo de bolsonaristas, restaurante de Paola tem fila de espera

Foto: Instagram
Paolaa

Nesta terça (24), enquanto uma enxurrada repentina de avaliações fez a nota do restaurante Arturito, da chef Paola Carossella, despencar para 1.6 no Google, a casa localizada em Pinheiros (São Paulo) estava lotada em pleno almoço de dia de semana.

A fila de espera para uma mesa de duas pessoas chegava a 40 minutos às 12h30 e as reservas para sexta, sábado e domingo já estavam esgotadas.

O boicote que levou o estabelecimento aos assuntos mais comentados do Twitter permaneceu no mundo virtual.

Embora a cozinheira tenha dito em setembro de 2020 que não entraria mais em polêmica, uma declaração feita em entrevista recente para o podcast Diacast provocou agitação nas redes sociais:

“É muito difícil se relacionar com quem apoia Bolsonaro por dois motivos: porque é escroto ou é burro”, disse a argentina naturalizada brasileira.

Desde então, grupos bolsonaristas se organizaram para desmoralizar o restaurante da chef, que já foi premiado como a melhor de cozinha variada da cidade por publicação especializada e é listado pelo prestigiado Guia Michelin como um Bib Gourmand (local de bom custo-benefício).

Até o momento, 47.744 comentários foram registrados no Google. Muitos deles apresentam opiniões como “quem lacra não lucra” e difamam a casa: “tem comida com mosca morta boiando”.

Outros têm teor xenofóbico, o que configura um crime de ódio pela legislação penal brasileira.

Paola Carossella Critica Bolsonaristas 9

Direitos autorais: Reprodução/Twitter

Paola Carossella Critica Bolsonaristas 7

Direitos autorais: Reprodução/Twitter

Paola Carossella Critica Bolsonaristas 6

Direitos autorais: Reprodução/Twitter

Paola Carossella Critica Bolsonaristas 1

Direitos autorais: Reprodução/Twitter

Paola Carossella Critica Bolsonaristas 3

Direitos autorais: Reprodução/Twitter

Manifestações políticas

Sócia também da rede de empanadas La Guapa e à frente do canal de YouTube Nossa Cozinha, Paola Carosella reclamou em março da alta dos preços dos alimentos.

A cozinheira, que defende o acesso à comida saudável sem agrotóxicos e a agricultura familiar e critica o agronegócio e a monocultura, afirmou em tom de brincadeira para os seus seguidores que não adianta eles ficarem bravos se os ingredientes das receitas que ela ensina estão caros.

“A cenoura está cara, o arroz está caro, o feijão tá caro, a comida boa está cara! (…) Lembra que eu te falei que tudo é política? Então, não vem reclamar aqui, não. Eu vou continuar tentando ensinar a cozinhar no meu canal e para isso preciso de ingredientes. E não vou te ensinar a fazer bolo de soja com milho e algodão. Se você quer comida de verdade acessível pro povo, reclama nas urnas”.”

0 %