Notícias

Chorando, Juliana Caldas faz críticas ao novo filme de Leandro Hassum: ‘‘Piadas capacitistas e preconceituosas’’

Chorando Juliana Caldas faz criticas ao novo filme de Leandro Hassum

A atriz Juliana Caldas foi às redes sociais, na última terça-feira (30), para expressar sua tristeza com a abordagem do nanismo no filme “Amor sem Medida”. A nova produção disponível na Netflix conta a história do cardiologista Ricardo (Leandro Hassum) e Ivana (Juliana Paes). Em tom de humor, a obra satiriza a grande diferença de altura entre o casal, uma vez que o rapaz é bem baixinho na trama.



“Estou aqui gravando esse vídeo para dar a minha opinião sobre um filme que está na Netflix, um filme brasileiro que aborda o tema nanismo. Nossa, bacana! Só que não”, começou Juliana, que ficou conhecida na novela “Outro Lado do Paraíso”.

O primeiro problema apontado pela atriz é que, ao invés de contratar um ator com nanismo para interpretar o protagonista, a altura de Leandro Hassum foi modificada através de computação gráfica – o que contribuiu com a falta de representatividade de PcDs (Pessoas com Deficiência) no entretenimento.

Em seguida, Calda questionou o teor das piadas do filme: “Totalmente capacitistas, totalmente preconceituosas (…) Não dá para aceitar hoje em dia. Se fossem piadas racistas, homofóbicas, gordo e fóbicas, eu acredito que talvez esse assunto estaria sendo levado mais a sério”.


“Quando a gente fala sobre o nanismo, a maior parte das vezes é nessa forma de piada. E não dá assim. Não dá mais para aceitar hoje mais um filme que faz você sentar e rir disso, rir dos outros, rir da condição do outro, sabe?”, continuou aos prantos.

Juliana revelou ter ficado tão indignada que não conseguiu assistir o filme inteiro. Apesar disso, uma das cenas que mais a marcou foi quando a produção compara “o órgão sexual masculino do cara com o tamanho dele”. Quanto à cena, disparou: “É um absurdo, a gente tenta lutar por respeito, pelo nosso espaço”.

O vídeo chegou ao fim com a atriz, cada vez mais abalada, prevendo que muitas pessoas poderiam considerar suas críticas como “mimimi”. Ainda assim, ela propôs que seus seguidores reflitam sobre empatia e amor ao próximo.

“É cansativo ter que explicar o óbvio, o simples. Explicar que, a partir do momento que uma piada ou frase fere o outro, não é legal. Espero que, no mínimo, as pessoas parem para pensar um pouco, parem para respeitar o próximo e entender realmente o que é empatia”, finalizou.


“Se os pais vissem o que eu vejo, não dariam telefones celulares para seus filhos”, alerta policial

Artigo Anterior

Sobrevivente de incêndio na boate Kiss se casa com enfermeira que cuidou dele

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.