Notícias

Criança de 2 anos morta pelos tios teve que ficar com eles após mãe viajar a trabalho para Fortaleza

Foto: Reprodução
capa crianca

Na última terça-feira (29), o corpo da pequena Lorenna Ferreira Rodrigues, de 2 anos, foi encontrado esquartejado dentro de uma mala enterrada em um terreno na comunidade Marechal Rondon, no município de Autazes ( a 113km de Manaus).

Os tios da criança, identificados como Ana Beatriz Barbosa, 19, e Jhon Lenon Menezes Maia, 31, são suspeitos do crime. O homem está foragido e a tia foi presa em flagrante por ocultação de cadáver.

Segundo informações da Polícia Civil, a tia da criança relatou que por meio de agressões físicas, ela e o companheiro “corrigiam” a vítima.

Ainda conforme a PC, no último dia 23 de março a criança passou mal e veio a falecer em Manaus. Jhon Lenon espancou Lorenna até a morte, e também cortou as pernas e os braços da vítima.

Crianca de 2 anos morta pelos tios teve que ficar com eles apos mae viajar a trabalho para Fortaleza 2

Ana Beatriz Barbosa, 19, e Jhon Lenon Menezes Maia, 31, suspeitos de matarem e esquartejarem uma bebê de 2 anos- Direitos autorais: Divulgação / PC-AM

Após isso, o casal colocou o corpo da menina dentro de uma mala e embarcaram em Autazes, local onde foi enterrada a pequena.

De acordo com a PC, em depoimento Ana Beatriz contou que a criança estava aos cuidados dela, após a mãe da vítima viajar a trabalho para Fortaleza (CE). O casal morava no bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus.

O pai da criança, ao ter conhecimento do caso, acionou a polícia. A polícia informou que o laudo do Instituto Médico Legal (IML), apontou que Lorenna teve hemorragia intracraniana, traumatismo crânio encefálico e trauma de ação contundente.


Se você presenciar um episódio de violência contra crianças ou adolescentes, denuncie o quanto antes através do número 100, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.

O mesmo número também atende denúncias sobre pessoas idosas, pessoas com deficiência, pessoas em restrição de liberdade, população LGBT e população em situação de rua. Além de denúncias de discriminação étnica ou racial e violência contra ciganos, quilombolas, indígenas e outras comunidades tradicionais.

0 %