Notícias

“Dói ver que o interesse pelo Brasil acabou”, diz professora brasileira premiada por dar aulas de português no MIT, nos EUA

Doi ver que o interesse pelo Brasil capa

Há doze anos, Nilma Dominique — baiana, negra e imigrante nos Estados Unidos — criou o programa de língua portuguesa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, eleita a melhor universidade do mundo pelo ranking QS World University 2022).

Era uma demanda da própria instituição, que notava um crescimento no número de interessados pelo idioma. “Em 2010, o português estava bombando”, diz a professora.

Os alunos tinham vontade de estabelecer uma relação mais profissional com o Brasil, para fazer pesquisa no país”, conta. “Claro, existiam também aqueles que, por questões afetivas, queriam se corresponder com familiares brasileiros. Mas a maioria procurava as aulas por uma questão de trabalho. Esse era o nosso público-alvo.

Nilma, à época, lecionava na Universidade Harvard, quando foi convidada pelo MIT para desenhar a estrutura e o conteúdo do módulo de língua portuguesa do instituto. Foram dois anos de testes, até a implementação oficial.

Estavam procurando gente para ensinar e montar programas nas universidades. O Brasil era interessante para muitos. Dói ver que isso acabou.

Acabou” porque, segundo a professora, atualmente faltam alunos dispostos a aprender o idioma.

Quando abrimos o curso, havia lista de espera, de tantos que tinham interesse profissional em ir ao Brasil. Hoje, é difícil atingir o número máximo de 18 estudantes”, conta.

É uma preocupação constante não só do MIT, mas da grande maioria das instituições com cursos de português. Vivemos altos e baixos”, afirma.

Para ela, “isso está ligado à política econômica brasileira”.

É bem menos gente querendo fazer pesquisa no Brasil na situação atual.
Ao fazer referência a essa “derrocada”, Nilma reflete também sobre sua própria trajetória.

Estudei durante a vida toda em escola pública (até o início dos anos 1990) e consegui fazer um doutorado na Espanha. Fico me perguntando se eu teria possibilidade, hoje em dia, de passar em um vestibular e ainda conseguir uma bolsa no exterior”.

Nascida em Salvador, a docente concluiu o ensino médio na rede pública na cidade vizinha de Camaçari (BA). Estudou letras na Universidade Federal da Bahia (1997) e, por meio de um programa de parceria entre o Brasil e a Espanha, conquistou uma bolsa para o doutorado em linguística aplicada na Universidade de Alcalá, em Madrid.

Se eu tivesse ficado no Brasil, teria sido muito difícil me especializar, porque o processo seletivo é extremamente afunilado, e não dá para se dedicar exclusivamente aos estudos. Você precisa continuar no mercado de trabalho”, diz Nilma.

Prêmio Martin Luther King

Além de ter criado o programa de língua portuguesa e de dar aulas, Nilma também organiza encontros entre quem se interessa pela cultura de países lusófonos.

É uma forma de manter uma comunidade e de formar uma pequena família. São almoços e papos entre asiáticos, latinos, negros e imigrantes que se sentem invisíveis aqui”, conta.

Doi ver que o interesse pelo brasil ft1

Direitos autorais: Reprodução/Arquivo pessoal.

Exatamente por essas iniciativas de “amor, igualdade, serviço e altruísmo”, como definiu o MIT, Nilma ganhou, no início de fevereiro, o prêmio Martin Luther King do instituto – uma referência ao ativista norte-americano que lutou contra a discriminação racial.

Foi uma surpresa tremenda e uma honra receber um prêmio com o nome de alguém que se dedicou à defesa dos direitos civis e pagou por isso com a própria vida”, conta. “Sinto que tantos colegas que trabalham comigo mereceriam esse reconhecimento também.

Parafraseando Luther King, Nilma conta qual o seu desejo.

Eu tenho um sonho: que as pessoas não precisem sair do próprio país para conseguirem chegar aonde querem.

Mulher, negra e imigrante

Nilma relata que, quando saiu do Brasil, não se via como “minoria racial, só como minoria social”. Mas a situação mudou depois que passou a morar no exterior.

Quando você chega aos Estados Unidos, torna-se uma minoria racial também. Em geral, nos departamentos do MIT, sou a única negra”, afirma.
O que lhe dá o direito a ser respeitada, conta (e lamenta), é o diploma.

É um privilégio. Quando a pessoa descobre que tenho um PhD [doutorado], muda claramente a forma como me trata. Isso, para mim, dói. Parece que preciso provar que posso usufruir dos mesmos direitos dos demais.

0 %