Notícias

Laudo revela causas da morte da cantora Paulinha, do Calcinha Preta

Paulinha

O laudo, feito após a morte da cantora Paulinha Abelha, do Calcinha Preta, foi divulgado. Quatro doenças foram apresentadas como responsáveis pelo falecimento da artista: meningoencefalite, hipertensão craniana, insuficiência renal aguda e hepatite.

A primeira, uma inflamação do cérebro e dos tecidos vizinhos, é, geralmente, causada por uma infecção, que, no caso da artista, ainda tem origem investigada. Outro documento, intitulado de painel toxicológico, encontrou 16 substâncias no corpo de Paulinha, como anfetaminas e barbitúricos, que podem ser o caminho para mais respostas sobre o caso.

Um dos medicamentos, encontrados no corpo da artista, é um tarja preta comumente usado no tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH), mas que tem como efeitos adversos a redução de apetite, perda de peso, náuseas e vômito.

O marido da cantora, Clevinho, além de colegas da artista, relataram que ela estava sofrendo com os enjoos durante seus dias em São Paulo, onde o Calcinha Preta cumpria agenda. Apesar do forte mal-estar, ela optou por visitar o hospital apenas ao chegar em Aracaju, capital de Sergipe, onde morava com o marido e o pai.

paulinha abelha vocalista do calcinha preta 1645119354433 v2 1024x1024.jpg

Direitos autorais: Reprodução.

O remédio fazia parte de uma receita médica fornecida pela nutróloga que acompanhava Paulinha. Além disso, a profissional também receitou um antidepressivo, um redutor de apetite, calmantes naturais, estimulantes, cápsulas para memória e uma fórmula que promete reduzir medidas, manipulada com a erva asiática garcinia cambogia.

A droga é “potencialmente hepatotóxica”, ou seja, possui substâncias químicas que podem causar danos ao fígado, que podem levar até mesmo à hepatite fulminante.

paulinha abelha vocalista da calcinha preta 1645132693600 v2 1024x1024.jpg

Direitos autorais: Reprodução.

Já os barbitúricos, também encontrados no corpo da cantora, são geralmente aplicados como sedativos, inclusive em ambiente hospitalar, para evitar convulsões. O momento em que eles foram ministrados e sua influência no corpo de Paulinha também são investigados.

Internação

Paulinha morreu em 23 de fevereiro, aos 43 anos, após 12 dias internada em hospitais de Aracaju (SE). A cantora chegou a um estado de coma profundo e, segundo a equipe médica responsável, teve um agravamento rápido de lesões neurológicas que levaram à morte cerebral.

Em entrevista coletiva realizada um dia antes da morte, os médicos da cantora informaram que ela estava em escala de Glasgow 3, ou seja, a “mais grave do coma” — uma pessoa saudável tem a escala Glasgow 15.

Dois dias antes de ser internada, em 9 de fevereiro, Paulinha participou do podcast “Podpah”, em São Paulo, acompanhada dos companheiros de Calcinha Preta. Na ocasião, ela disse ter sentido um “desmaio” momentos antes de entrar no ar.

“Eu senti um ‘passamento’, um desmaio (antes da entrevista). Mas nada que o Podpah não resolva, está tudo ótimo. Qualquer coisa, se eu ficar tonta, eu vou ali. Mas comi igual a uma lontra, ontem jantamos um sushi maravilhoso”, disse a cantora na ocasião.

Carreira e volta ao Calcinha Preta

Nascida em 16 de agosto de 1978, Paula de Menezes Nascimento era natural do interior de Sergipe. Ela iniciou a carreira musical aos 12 anos, cantando em bandas locais e trios elétricos em pequenas cidades sergipanas. Antes do Calcinha Preta, ela chegou a tentar a carreira com outros grupos, criados por ela.

Por três anos, cantou na banda Flor de Mel, um investimento próprio que precisou interromper pela falta de recursos financeiros, tanto dela quanto de seus pais. Apesar da tristeza, Paulinha não desistiu, e pouco tempo depois foi selecionada para integrar a banda Panela de Barro.

Ela ficou no grupo por mais três anos, período em que ganhou experiência e habilidade com o público. O destaque a nível nacional, no entanto, veio a partir de 1998, quando ela entrou para o Calcinha Preta após ser descoberta pelo empresário Gilton Andrade.

O grupo, que é um dos maiores nomes do forró eletrônico, foi formado em 8 de dezembro de 1995 e, desde então, já passou por diversas formações.

“Paulinha, me diz o que é que eu faço!”

Uma canção que ficou bastante conhecida na voz do Calcinha Preta surgiu em 2007, e leva justamente o nome da cantora. “Paulinha” é, na verdade, uma paródia de “Without You”, de Mariah Carey, e foi criada por um fã quando a vocalista se casou com o seu primeiro marido, Marlus Viana.

O grupo decidiu gravar a versão, que acabou fazendo bastante sucesso. O refrão, bem chiclete, é um choro de lamentação: “Paulinha, me diz o que é que eu faço! / Paulinha, por que se casou?”

Hoje, a discografia da banda Calcinha Preta conta com 19 álbuns de estúdio e 9 ao vivo, além de 5 DVDs oficiais e diversos álbuns e vídeos promocionais.

0 %