Notícias

“Não protegeu filho”: pai de Henry acredita que nova versão apresentada por Monique é “estratégia”

1231231

Leniel se pronunciou após saber da nova versão apresentada por Monique Medeiros sobre a morte do filho. Entenda!



A morte do menino Henry Borel está sob investigação, e novas informações vêm sendo descobertas e compartilhadas. Leniel Borel, pai do menino, se pronunciou depois que os advogados de Monique Medeiros compartilharem relatos de agressão sofridos pela mulher.

Monique relatou aos advogados que tinha sido agredida física e verbalmente por Jairinho e que, depois da morte do menino, foi manipulada para ajudá-lo. A professora ainda disse que o relacionamento que tinha com ele era abusivo.

Em entrevista à UOL, o engenheiro afirmou enxergar essas afirmações como uma estratégia de defesa da mulher. Ele disse não acreditar que ela estava sendo agredida, talvez apenas no final, para que não falasse sobre o que sabia, ainda acrescentando que “ela poderia até estar sendo agredida, mas não protegeu o filho”.


Leniel acredita que Monique supostamente mentiu à polícia, e que isso comprova que ela não quis defender o menino Henry.

Relacionamento com o filho

O engenheiro aproveitou para falar sobre os últimos momentos com o filho. Segundo ele, dias antes da morte de Henry, o pai fez uma chamada de vídeo com ele e percebeu que estava triste.

Na chamada, Henry disse que o “tio” (Jairinho) o machucava. Monique, em uma conversa posterior, disse: “Esquece isso, isso não acontece. Isso é uma reação dele, isso não pode estar acontecendo. Parei minha vida, deixei de ir para a academia, não faço mais nada, eu fico com ele a tarde toda.” Ele ainda disse que, depois disso, ela nunca mais o ligou.


Investigações

Sobre as investigações, Leniel afirmou que percebeu ações da ex-mulher para tentar manipular o rumo das coisas. Segundo ele, enquanto participava das investigações, ouviu da família da professora que criaram um grupo e que Monique estava manipulando todo mundo, tentando transferir a responsabilidade da morte do filho para ele, e que ele devreia ser investigado.

Leniel acreditava até Monique poderia estar sendo coagida por Jairinho até 8 de abril, quando ambos foram presos. Depois disso, ele disse que “da maneira que Monique sempre foi, estava manipulando todo mundo”.

Ele ainda julgou como “nebuloso” o suposto envolvimento de Monique na morte do filho, e que não consegue entender qual foi a sua função em tudo o que aconteceu. A defesa da professora ainda não se manifestou sobre as declarações do engenheiro.


“Adotar não é uma caridade”, diz Giovanna Ewbank sobre a criação de seus filhos e a luta contra o racismo

Artigo Anterior

“A gente tem que falar que não foi legal, que não brinca assim… aí mudamos as coisas”, diz João

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.