Notícias

Psicóloga analisa perfil dos finalistas do “BBB 22” e comenta favoritismo de Arthur: “Surfou na estratégia vitimista”

img 1918

A grande final do “BBB 22” está definida, e Arthur, Douglas e Paulo André disputam a preferência do público para se tornar o campeão da edição.

Após 100 dias de confinamento, na próxima terça-feira, um deles sairá da casa milionário. Em entrevista , a psicóloga cognitivo-comportamental Maria Rafart analisou o perfil de cada um dos finalistas do programa.

Começando por Arthur, a especialistas explica a constução da sua narrativa de “jogar sozinho”. Para ela, o combate contra Jade Picon, responsável por emparedar Arthur três vezes, fortaleceu seu posicionamento diante do público:

“O conflito Jade-Arthur foi praticamente um presente para o “pãozinho”. Preparado para ser racional em sua trajetória na casa, Arthur se valeu da narrativa vitimista e isolado desde o primeiro dia: na escolha de uma cama beliche, por exemplo, ele já mostrava que o seu jogo seria individual. Arthur usou muito gaslighting para manipular opiniões durante esta edição. Cada vez em que é confrontado, coloca seus combatentes em dúvida sobre suas próprias verdades. Ele surfou na estratégia vitimista até poucos dias atrás, quando a própria edição do programa ao vivo o desmascarou, mostrando flashbacks que confirmavam que algumas de suas afirmações quanto à combinação de votos eram falsas. Seus amigos, que antes caíam facilmente nas redes do seu gaslighting, andam cansados da narrativa de isolado e abandonado pelos demais”.

jade97554937 sx rio de janeiro rj14022022big brother brasil 22bbb 22.arthur aguiar

Arthur Aguiar no BBB 22 – Direitos Autorais: Reprodução/TV Globo

O termo em inglês “gaslighting” representa um tipo de manipulação psicológica sutil, na qual o abusador mente, distorce a realidade e sempre omite informações. Ainda que acusado de praticar tal ato contra outros participantes, aqui fora esse comportamento não abalou a torcida do cantor e ator. Maria Rafart explica como o favoritismo de Arthur entre o público se construiu:

“A narrativa de vítima ou de excluído sempre encontra eco fora da casa: bem ou mal, quase todos temos em nossa história de vida, uma “criança interior” que um dia foi rejeitada. Daí a grande identificação com esse tipo de narrativa, que pode inclusive ser pré programada, já que as chances de encontrar engajamento são grandes”.

97143627 sx rio de janeiro rj23012022big brother brasil 22bbb 22.paulo andre

Paulo André no BBB 22 – Direitos Autorais: Reprodução/TV Globo

Para ganhar o título de campeão do “BBB 22”, Arthur precisa bater Douglas e Paulo Adndré, seus companheiros na grande final. Próximos desde o início, o atleta e o ator contam com o carisma para conquistar o público. A psicóloga analisa também os atributos deles:

“PA e DG conquistaram o coração dos espectadores, pelas mesmas razões: nesta edição, jogar bem pode significar não ser muito estrategista – mas ser autêntico e empático. E autenticidade e empatia, este trio tem de sobra. Eles são os motores propulsores de alegria da edição, e é provavelmente esta qualidade dos rapazes que tornou esta final tão masculina”.

Essa é a primeira final da história do “Big Brother Brasil” disputada apenas por homens, e para a psicóloga, não houve um critério sexista na avaliação do público para definir isso nesta edição.

douglas silva bbb22

DG no BBB 22 – Direitos Autorais: Reprodução/TV Globo

Para finalizar, a especialista fala ainda sobre o poder do formato do reality show como atração televisiva que prende a atenção de seus espectadores, e como o antagonismo impulsiona a formação das torcidas:

“Todo reality show é orgânico: por mais que se tente adivinhar os desdobramentos de uma temporada, os caminhos escolhidos, as alianças e os conflitos acabam por tomar rumos próprios. Nisto consiste sua graça: a Psicologia explica que o espectador projeta nos personagens que vão se desenhando, um espelho de sua própria vida – identifica-se com uns, rejeita outros. E esta foi uma edição com poucos antagonistas. O conflito gerado pelo antagonismo é o que, de certa forma, acirra a competição e torna um reality uma atração de tanto sucesso e audiência. As pessoas adoram torcer – mas precisam de narrativas antagônicas”.

0 %