Artista cria “coroas” de henna para mulheres com câncer e fortalece sua autoestima

5min. de leitura

Leah Reddell é uma artista corporal que trabalha com henna e fez dela o elemento principal para criar “coroas” únicas e cheias de beleza e significação para suas clientes. Lindo demais!



Uma das partes mais difíceis do tratamento contra o câncer, a quimioterapia, é a perda de cabelo, especialmente para as mulheres. O cabelo colabora, em grande parte, para a autoestima feminina e é um dos elementos responsáveis por nos sentirmos bonitas e bem com nós mesmas.

Um estudo de 2010, conduzido pelo pesquisador e professor de dermatologia, Ralph M. Trüeb, descobriu que 47% das mulheres que fazem quimioterapia consideram a perda de cabelo o “aspecto mais traumático” do tratamento.

Não é nada fácil para uma mulher se despedir dessa parte tão importante de sua personalidade, na qual, muitas vezes, investe boa quantia em dinheiro e cuidado para se manter bonita e bem cuidada.


Geralmente, não há muito o que fazer para evitar essa situação, pois é parte do tratamento. No entanto, uma iniciativa especial tem ajudado a resgatar a força e a autoestima das mulheres que enfrentam o câncer e a dura realidade da perda capilar.

Leah Reddell é uma artista corporal que trabalha com henna e fez dela o elemento principal para criar “coroas” únicas e cheias de beleza e significação para suas clientes.

A henna é um corante natural, que vem da planta de mesmo nome, nativa de alguns países, como Marrocos e Índia, e muito utilizada em contextos religiosos e culturais. As tatuagens de henna também são bastante comuns em diversos países, pois têm duração limitada, já que atingem apenas a camada superior da pele, mas podem criar efeitos especiais no corpo.

Leah tatua a cabeça de suas clientes com henna. Essas tatuagens são chamadas de “coroas”, porque cobrem todo o couro cabeludo e ajudam a despertar nessas mulheres, muitas vezes fragilizadas pela luta contra o câncer, o poder e a magia que existem em seu interior.


As “coroas” começaram a ser tatuadas a pedido das próprias clientes e tornaram-se uma das marcas da artista. Em entrevista ao site HealthiNation, Leah disse que fica impressionada pelo fato de seu trabalho poder mudar a relação dessas mulheres com o mundo.

A artista explica que as tatuagens são tão significativas para essas mulheres porque tiram o foco do câncer e colocam com a obra de arte em sua cabeça. Elas são uma forma mais livre e natural de lidar com a perda capilar proveniente da quimioterapia.

Uma das coisas mais legais sobre as “coroas” é que cada uma delas é única, pois traduz a ideia das próprias clientes. Os desenhos podem ser geométricos, abstratos, baseados no mundo real, tudo depende de cada mulher, pois refletem a sua individualidade.

Em seu perfil, no Instagram, a artista compartilha várias “coroas” e conquista admiradores pela sensibilidade e amor envolvidos em seu trabalho. Ela também atende a homens, apesar de as mulheres serem a maioria.

Esse trabalho é realmente especial e importante.

Sentir-se bem consigo mesma, encontrando força interior e autoadmiração, é fundamental para as pessoas que lutam contra o câncer e, nesse sentido, as “coroas” de Leah são um grande incentivo.

Leah recomenda que todos tenham as próprias “coroas”, mas adverte que devem ser feitas por profissionais, para que a henna usada seja de boa procedência e o trabalho fique bem feito.

Lindas demais essas coroas, não é mesmo? O que você achou do trabalho de Leah?

Comente abaixo sua opinião e compartilhe esta importante iniciativa para o amor-próprio e poder pessoal!

 

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos. Direitos autorais das imagens utilizadas no texto: divulgação/Leah Reddell.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.