Pessoas inspiradoras

Ex-morador de rua abre restaurante com dinheiro que ganhou como entregador. Hoje ele alimenta sem-teto!

Gabriel teve uma vida difícil desde a infância, perdeu a mãe aos 7 anos, foi parar no orfanato, perdeu o pai aos 12, e viveu nas ruas do Rio de Janeiro, onde também perdeu um amigo.



Existem algumas experiências que são capazes de nos marcar por toda a vida, mudando a forma como enxergamos o mundo, como nos relacionamos com as pessoas e até como pensamos. Podem ser pequenas mudanças na rotina ou um trauma, somos crivados pelas nossas experiências, e as amizades que fazemos e as perdas que temos nessa trajetória são parte importante da equação de quem nos tornamos.

Gabriel Guimarães, de 34 anos, sabe bem o que é ter uma vida cheia de fatores externos, capazes de mudar completamente a direção das suas ações. Tudo começou quando ele ainda era muito jovem, no Rio de Janeiro, quando viu sua mãe ser morta por policiais; tinha apenas 7 anos.

Ele passou três dias com o corpo dela dentro de casa, sem saber o que deveria fazer, decidiu se trancar em um quarto com o fogão e os irmãos mais novos, ele fazia macarrão com salsicha para alimentá-los.


Segundo reportagem da Vogue, Gabriel acabou sendo separado dos irmãos e levado para um orfanato, já que a avó não tinha condições financeiras para assumir a responsabilidade por eles. Quando completou 12 anos, seu pai, que havia acabado de sair da prisão, apareceu para levá-lo, mas ele acabou sendo maltratado durante uma semana, pela madrasta.

Como se já não tivesse passado por coisas difíceis demais de suportar até para um adulto, ele viu o pai ser assassinado por traficantes, e precisou ir morar nas ruas cariocas, onde foi estuprado na primeira noite. Depois de uns dias, Gabriel conheceu Fiel, de quem se tornou grande amigo, ensinando tudo o que ele precisava saber sobre a vida como sem-teto.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@humusgourmet.

Gabriel ainda presenciou a morte do melhor amigo, que foi queimado vivo. Ele tinha apenas 15 anos e já havia passado por essa sucessão de eventos trágicos, extremamente complexos e traumáticos. Três dias depois que Fiel morreu, o jovem foi encontrado pelo pai adotivo de sua irmã, e foi quando as coisas começaram a mudar em sua vida.


Ele precisou lutar contra o vício em drogas adquirido nos anos em que passou nas ruas, uma alternativa que encontrou para não precisar pensar em tudo que havia vivido. Gabriel conta que sua trajetória mudou de fato quando ele aprendeu a cozinhar com Tia Vera, uma cozinheira baiana que fazia frutos do mar como ninguém.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@humusgourmet.

Ele se apaixonou pela profissão e revela que já nutria o sonho de trabalhar numa cozinha desde pequeno, mesmo quando morava nas ruas. Imaginava que poderia ter o próprio restaurante para escolher o cardápio da maneira como quisesse, para fazer as coisas do seu jeito.

Gabriel trabalhava como entregador e alimentava esse sonho, até receber uma rescisão contratual que faria com que os planos finalmente saíssem do papel. Ele se mudou para São Paulo e inaugurou o Humus Gourmet, um restaurante especializado em comidas veganas e vegetarianas.


Inspirado pelo amigo que morou com ele nas ruas, Gabriel decidiu se comprometer em ajudar o próximo, e criou o “PF Fiel”. O projeto oferece alimentação às pessoas mais vulneráveis e em situação de rua, e conta que sabe bem da necessidade do sem-teto para se alimentar com dignidade.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@humusgourmet.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@humusgourmet.

O sonho sempre foi colocar o morador de rua sentado em uma mesa do seu restaurante, dando a ele um prato feito com amor e carinho. Os clientes pagantes ficam sabendo da iniciativa e se sentem confortáveis em ajudar as pessoas vulneráveis, deixando uma refeição paga para quem precisa. Gabriel conta que o público vegano costuma ser mais sensível às injustiças sociais, por isso mais receptivos quando ele toca no assunto, já que lutam pelo justo e pelo certo.


O Humus Gourmet também sofreu com o impacto da atual crise sanitária, mas Gabriel acredita que este é o momento de vencer mais uma luta. Seu principal objetivo é se tornar uma referência da culinária vegana e vegetariana, e ser reconhecido como um grande chef, mas mantendo vivo o seu projeto do “PF Fiel”.

Analfabeta e ex-gari, mulher cria ONG que já doou mais de 450 toneladas de comida e ajudou 7.500 crianças

Artigo Anterior

Sem trabalho, pai que cata recicláveis carregando os filhos ganha alimentos e soma R$ 28 mil em doações!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.