Pessoas inspiradoras

Família adota menina indiana que foi abandonada por 3 meses em hospital. Amor que transcende!

Capa Familia adota menina indiana que foi abandonada por 3 meses em hospital Amor que transcende

A mãe compartilhou a jornada de adoção e seu relato é emocionante. É um sentimento incondicional e puro, que vai além das fronteiras!



Essa história recente nos faz refletir sobre como, no atual momento que estamos vivendo, existem pessoas que conseguem fazer a diferença, ultrapassar barreiras e transformar a vida de uma criança para melhor!

Johonna Mylius fez questão de o mundo inteiro saber de sua jornada como mãe. Ela e o marido optaram pela adoção há três anos e, em abril de 2018, assinaram toda a papelada para dar entrada no sonho. Eles já eram pais biológicos de uma linda garotinha, mas queriam aumentar a família.

Johonna relatou que sempre sonharam em adotar. Seu marido Shane tem um irmão de Uganda, sempre foram muitos felizes, e ela queria muito que esse legado de adoção continuasse em sua família. Foi voluntária por um tempo, em orfanatos, sabia da realidade e do quanto aquelas crianças precisavam de um lar amoroso.


Ela conta toda a sua história ao Love What Matters, ao qual diz que souberam, pelo programa do qual faziam parte, que uma recém-nascida havia sido abandonada na UTI neonatal. Johonna disse que seu coração estremeceu ao pensar que ela estaria lá, sozinha, sem amparo dos pais, sentindo-se desprotegida.

2 Familia adota menina indiana que foi abandonada por 3 meses em hospital Amor que transcende

Direitos autorais: reprodução Instagram/@shanemylius.

Escolheram a Índia por ter uma das maiores populações de órfãos no mundo. Após um ano, em 2019, tiveram a autorização para conhecer a tão sonhada filha, agora com 18 meses. Estava num orfanato que cuidou muito bem dela, e isso foi essencial para que os pais ficassem mais aliviados.

Embora o processo de adoção demore muito, eles conseguiram realizar o sonho e assim encontraram sua criança. Ela foi colocada em sua vida por uma razão divina, relatou a mãe.


Por conta da pandemia, em 2020, tudo fechou. Os pais haviam sido convocados para estarem no tribunal indiano em março, mas não puderam comparecer. Os meses passaram, e nada. Tinham informações dela, que estava saudável, mas eram poucas fotos e poucas informações. O processo estava parado.

Johonna conta que esse momento foi ainda mais difícil, pois eles estavam prontos e autorizados a buscar a menina, mas tudo estava fechado e as preocupações povoavam a cabeça dos pais. Não sabiam se ela estava bem verdadeiramente, queriam dar todo o suporte, apoio e amor a ela nessa situação, mas não podiam.

A primeira audiência foi marcada para novembro e a custódia autorizada em dezembro. A espera estava chegando ao fim! O objetivo da família era viajar em fevereiro de 2021, com todos os documentos e doações para o orfanato que acolheu a filha do casal. Precisavam dos vistos para entrar na Índia, era a única coisa que faltava.

Ao resolver tudo, aconteceu uma tempestade no Texas e tudo literalmente congelou. A neve era tão espessa, que todos os voos haviam sido cancelados. Novamente as coisas pararam. A família se viu mais uma vez no mesmo dilema do ano passado.


Foi um balde de água fria, relatou a mãe. Seu marido podia ver a frustração em seus olhos. Mas assumiu o risco e foi dirigindo até o consulado indiano. Após mais esforços, pois lidaram com outras questões, finalmente chegaram.

O voo havia sido remarcado para o dia seguinte, então eles precisavam dos vistos de qualquer jeito. Mas o local estava fechado, não havia ninguém. Johonna tentou ligar antes de irem, mas não conseguiu, enviou e-mails, todos sem resposta.

Com o coração destruído por mais uma dificuldade, voltaram para casa, arrumaram as malas e, no dia seguinte, encaminharam-se novamente para o consulado. Estava do mesmo jeito. Luzes apagadas e nenhum carro no estacionamento. O marido de Johonna subiu as escadas, pensou que poderia haver alguém lá dentro, um zelador, por exemplo, e abriria a porta para eles. Surpreendeu-se quando conseguiu entrar. A porta estava destrancada!

Um dos funcionários estava lá dentro e, nesse momento, Johonna e seu marido se acabaram de tanto chorar. O homem entendeu toda a situação e ligava para os membros da equipe, numa força-tarefa para ajudar a encontrar os vistos. Finalmente, outra funcionária chegou e sabia exatamente onde estavam!


3 Familia adota menina indiana que foi abandonada por 3 meses em hospital Amor que transcende

Direitos autorais: reprodução Instagram/@shanemylius.

Após muita emoção, lágrimas e abraços, foram correndo para o aeroporto. Johonna ligou para sua mãe e gritou, vibrando ao telefone, que estavam indo para a Índia buscar sua amada filha!

Chegaram ao destino no dia 19 de fevereiro e enfim conheceram a pequenina.

Foram direto para o orfanato. Conversaram com a diretora e coordenadora e, após alguns minutos, a bebê apareceu. Tanto o pai quanto a mãe não se seguraram e as lágrimas caíram novamente. A menina olhou e sorriu para eles. Finalmente a espera acabou e poderiam respirar aliviados!


Naina Hope Mylius oficialmente era da família! Após tanto sofrimento, o sonho se tornou realidade. O relato da mãe é encorajador, mesmo com todas as adversidades, valeu a pena. Ela quis contar toda a sua história de adoção para fortalecer quem está passando pelo processo e incentivar aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de adotar.

Ela finalizou dizendo que Naina sempre pertenceu à família e que jamais desistiriam dela, apesar de tudo o que lhes aconteceu. Ela quer que a história de sua filha percorra o mundo para fazer com que todos vejam que essas crianças valem a pena!

Que esse amor seja transferido e contagie a todos! Johonna é um grande exemplo de mãe, pois superou todos os cansaços e adversidades para que sua filha adotiva estivesse, finalmente, em seu lar!

O que achou deste relato?


Comente e compartilhe-o em suas redes sociais!

Mulher que não tem útero e dizia que nunca seria mãe celebra a chegada de seu bebê!

Artigo Anterior

“Fidelidade requer a coragem de fazer a mesma escolha todos os dias” (padre Fábio de Melo)

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.