Pessoas inspiradoras

Para doar cestas básicas, motoboy vende paçoca a R$ 1,00 e consegue ajudar mais de 70 famílias!

Rapaz deu um show de empatia promovendo doações e ajudando famílias carentes. Seu exemplo dá esperanças em um mundo melhor!



Paulo Vitor é um homem que vem restaurando a fé na humanidade por usar seu tempo depois do trabalho como motoboy para vender paçoca a R$ 1,00 a fim de arrecadar dinheiro para ajudar famílias carentes com cestas básicas.

Conforme noticiado no site “O São Gonçalo”, Paulo todos os dias vai até às barcas, das 17 às 18h, vender os doces para os passageiros.

Ele comenta que a ideia surgiu depois que viu pessoas próximas à sua família dizerem como está difícil para muitos dar o que comer a seus filhos, agora que a pandemia se alastrou e vários perderam empregos. Cerca de um mês atrás, Paulo, de 30 anos e pai de seis filhos, decidiu colocar a ideia em prática, e o resultado foi além do esperado.


Ele já conseguiu ajudar mais de 70 famílias que não tinham o que comer em casa. Sabendo de uma moça de sua comunidade religiosa, cuja família passava necessidades porque o avô, único provedor do lar, estava acamado por causa de um derrame, ele percebeu que precisava fazer algo.

Disse que nunca passou fome, mas sabe como é viver com pouco dinheiro, pois já passou necessidades antes. Hoje em dia, trabalha como motoboy e começou a pensar em outras famílias que não tiveram a mesma sorte de ter um emprego, como ele, por isso resolveu ajudar.

A ideia de vender as paçocas nas barcas foi para arrecadar dinheiro e comprar alimentos para montar as cestas básicas destinadas àqueles que precisavam. Famílias de São Gonçalo e Niterói, ambos município do Rio de Janeiro, receberam auxílio.

Os produtos comprados para compor a cesta são macarrão, feijão, biscoitos e doces (para famílias com crianças), açúcar, óleo, arroz e farinha. O projeto que ele criou evoluiu de tal maneira, que a cada dia  consegue ajudar mais famílias necessitadas. Segundo Paulo, todo o dinheiro arrecadado vai para as compras.


Ele ainda relatou que não sabia se teria coragem de falar com as pessoas nas barcas e contar por que estava ali, mas quando viu que muitos começaram a doar alimentos no próprio local onde ele pedia ajuda, viu que a causa sensibilizava e dava certo. Conseguiu doação de roupas e brinquedos também.

Afirmou que numa semana conseguiu completar cinco cestas básicas com presentes de alguns passageiros. Disse que é muito gratificante porque, mesmo que as pessoas não comprem a paçoca, elas ajudam de outras formas. Já aconteceu de comprarem em grande quantidade para ajudar financeiramente o projeto. Ele relata que qualquer doação é bem-vinda e será encaminhada a quem precisa.

O rapaz conta que é muito bonito ver o sorriso das pessoas quando recebem as doações. As crianças ficam pulando, sorrindo, os pais choram. É inexplicável como é boa a sensação de ajudar o próximo. Ele conclui declarando que é sua missão com Deus, afirma que não pode parar e pretende continuar ajudando o máximo que conseguir. Que belo exemplo de ser humano temos por aqui!


“Pandemia me fez ter consciência dos meus 90 anos”, declara atriz Fernanda Montenegro

Artigo Anterior

Pai com câncer terminal completa triatlo e dedica à filha: “Se eu posso fazer isso, você consegue”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.