Pessoas inspiradoras

“tive uma vida boa”, diz idosa com coronavírus ao abrir mão de respirador

“Tive uma vida boa” diz idosa com coronavírus ao abrir mão de respirador

Suzanne tinha 90 e pediu que o respirador que a manteria viva fosse utilizado por pessoas mais jovens, que também estavam com a doença.



A pandemia do novo coronavírus tem causado centenas de mortes mundo afora. Pessoas que, de uma hora para outra, se viram diante de um inimigo poderoso e ainda desconhecido, se foram, deixando muita saudade para os seus familiares e amigos.

Esse é o caso da belga Suzanne Hoylaerts, de 90 anos que, mesmo prestes a dizer adeus, não deixou de transmitir uma mensagem de afeto e solidariedade, mensagem que pode servir de exemplo para todos nós.

Enquanto estava internada, ela dispensou o uso de um respirador que seria necessário para mantê-la viva, e pediu aos médicos que utilizassem o aparelho em pacientes mais jovens, em condição semelhante à sua.


Conforme o jornal belga Het Laatste Nieuws, a luta de Suzanne teve início quando ela sentiu perda de apetite e falta de ar. Como havia sido hospitalizada um ano antes, devido a um quadro de pneumonia, seus familiares ficaram preocupados e decidiram levá-la ao médico.

Suzanne precisou ser hospitalizada, porque sua saturação de oxigênio estava muito baixa e um dos exames, infelizmente, atestou resultado positivo para o novo coronavírus. A partir de então, a idosa precisou ficar em isolamento, separada da filha Judith, uma de suas maiores apoiadoras.

Mas, no último encontro com a filha, a idosa deixou uma mensagem de consolo, como se estivesse pressentindo o pior. Ela pediu para Judith não chorar, pois havia feito tudo o que pôde pelo seu bem-estar, e ressaltou: “Eu tive uma vida boa.”

Só de ler já parte o coração, não é mesmo? Suzanne foi isolada do convívio familiar e do contato direto com qualquer outra pessoa que não estivesse devidamente protegida contra a doença.


Sua família, por sinal, ficou duplamente preocupada, não só por conta da idade avançada da idosa, mas também por não saber como ela havia contraído a doença.

Suzanne levou o isolamento a sério, não questionou a decisão dos médicos de mantê-la completamente afastada de outras pessoas mas, durante o tratamento, ainda demonstrou o quanto era um ser humano íntegro.

Ela falou aos médicos que não queria usar o respirador artificial, principal forma de mantê-la viva. A paciente voltou a dizer que teve uma vida boa e pediu aos médicos para guardarem o equipamento para ser usado pelos mais jovens. Contudo, no dia seguinte ao da internação, Suzanne morreu.

A atitude de Suzanne emocionou a todos, principalmente a filha, que só lamentou não ter podido se despedir da pessoa que era sua maior inspiração.


Devido à doença e ao alto risco de contágio, a família também não pôde fazer o funeral da senhorinha. Que tocante!

Suzanne, muito provavelmente, era uma pessoa linda, que manteve sua honestidade e bondade até mesmo na hora da morte.

O que você achou dessa história emocionante?

Deixe o seu comentário e compartilhe-a em suas redes sociais.


 

Texto escrito com exclusividade para o site O Amor. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos. Direitos autorais da imagem de capa: reprodução.

Um dia, você não será mais um “quase” na vida de alguém

Artigo Anterior

Riachuelo doa 12 mil aventais para quem está lutando contra o coronavírus!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.