Fique atenta ao poder da intuição

5min. de leitura

O poder da intuição pode melhorar sua relação com o mundo e ajudar a tomar grandes decisões

Sabe quando você tem a certeza de alguma coisa, mas não sabe explicar por que ou de onde ela veio? Essa é a intuição, que vem do latim intueri e significa considerar, ver anteriormente. Os pressentimentos podem nos levar a tomar decisões melhores que as deliberações racionais. Mas para compreender, não basta pensar: é preciso sentir e, principalmente, intuir.



A razão tem razão?

A intuição é uma aptidão que todos nós temos, mas que precisa ser desenvolvida – assim como a própria capacidade de pensar. Ela funciona como um guia interno, que se manifesta através de um conhecimento não-linear. “Por isso a intuição aparece através de sensações inexplicáveis, insights, sonhos, ou de uma voz interna que parece dizer ‘sim, isso está certo’ ou ‘isso não vai funcionar'”, diz a psiquiatra americana Judith Orloff, autora do livro Second Sight (Outro Olhar, numa tradução livre, ainda sem edição no Brasil). “Um pressentimento sempre nos inquieta porque não sabemos de onde ele surgiu, ele não vem a partir de um raciocínio consciente, mas de um lugar desconhecido da nossa mente”, escreve Judith. Filósofos como Platão já valorizaram a intuição como um ponto de partida para suas ideias. As sacadas surgiam intuitivamente e, depois, eles tratavam de colocá-las à prova sob a luz do racionalismo.

A mente intuitiva

Nossa mente trabalha melhor relegando ao inconsciente uma boa parcela do pensamento racional – ela não daria conta de tudo, se não usasse esse artifício. Por causa disso, a própria evolução dotou nossa mente da capacidade de reagir antes mesmo de pensar quando estamos diante de uma situação de risco – a intuição é, portanto, uma aptidão evolutiva. Na maior parte das vezes, os pressentimentos se baseiam num volume surpreendentemente pequeno de informações. “O instinto que nos faz hoje optar por algo que conhecemos equivale ao instinto de sobrevivência no mundo selvagem”, diz o professor de Psicologia da Universidade de Chicago, Gerd Gigerenzer, no livro O Poder da Intuição.

Atenção aos sinais

Intuir funciona como um “sexto sentido” colocado à nossa disposição e que nos ajuda a melhorar nossa relação com o mundo e facilitar nossa vida. É o autoconhecimento, aliás, que nos permite reconhecer os pressentimentos que a nossa mente tem. E, se estivermos atentos aos sinais, aumentamos nossa capacidade de decidir acertadamente. Para que isso ocorra, precisamos estar com a mente tranquila – afinal, quanto maior nosso nível de estresse e de ansiedade, menor a acuidade dos nossos sentidos.


poder-da-intuicao-02

Desenvolva sua capacidade reflexiva: basta ficar atenta aos sinais da sua intuição
Foto: Nati Canto

Confiar (e agir)

Desenvolver a intuição significa adotar uma postura mais reflexiva e trabalhar a autoconfiança. Dedicar-se um tempo ao silêncio e ao recolhimento ajuda. Registrar e interpretar sonhos e impressões, também, porque essas práticas facilitam o acesso ao mundo interno, assim como ler, conhecer, assistir, viajar. “Cada um de nós tem a sabedoria e o conhecimento de que necessita em seu próprio interior”, escreveu o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, um defensor da intuição.


Intuir, portanto, é enxergar melhor o mundo olhando para dentro de nós mesmos. Mas de nada adianta abrir uma comunicação com o inconsciente se isso não impulsionar ações. Viver é mesmo correr riscos e, para isso, nem sempre basta apenas pensar.

LIVRO
Blink!, Malcolm Gladwell Blink, Rocco
O Poder da Intuição, Gerd Gigerenzer, Best Seller
Sway – The Irresistible Pull of Irrational Behaviour, Ori e Rom Brafman, Broadway Books

Fonte: Vida Simples

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.