Reflexão

“Namore-se. Se der certo, namore com alguém!” (pe. Fábio de Melo)

O amor é uma experiência que deve ser cultivada primeiramente consigo mesmo. Só assim saberemos o quanto somos merecedores!



O amor que sentimos foi dado por Deus. Ele chegou primeiro ao nosso coração, por isso é um sentimento tão poderoso e fortalecedor. Mas é necessário que ele inunde primeiro o nosso ser, só depois disso podemos pensar em ter ou dar o amor para outra pessoa.

Essa bela frase do padre Fábio de Melo reforça o que precisamos sempre recitar em voz alta: nosso amor-próprio precisa ser primordial. Não é justo não nos amar verdadeiramente e nos arriscar em relações rasas. Mulheres necessitam encontrar amor dentro de si para depois querer um relacionamento.

A partir do momento em que nos colocamos como figuras importantes e merecedoras de um amor verdadeiro, não nos aventuramos em escolhas ruins. O amor que temos dentro de nós é comparável com o que temos fora. Se não está recebendo, é porque não exerce esse sentimento dentro do seu coração.


É muito fácil amar os outros e esquecer de si mesmo. Durante anos, as mulheres foram ensinadas a fazer isso. Nossas vontades, desejos, anseios ficam em segundo plano, porque a sociedade quer isso. Ensinaram-nos que é egoísmo pensar em nós. Que mulher para casar é aquela que é bondosa com todos e nunca consigo mesma, sempre altruísta, vendo o lado de todo mundo, enquanto o dela, ninguém vê.

Quando saímos desse padrão, automaticamente as pessoas julgam e atribuem a nós a culpa por não ter um casamento fortalecido ou um namoro edificado. Mas não, as mulheres estão acordando e vendo que, se não exercitarem o amor-próprio, não há como um relacionamento dar certo.

Somos criaturas amadas por Deus. Ele deixou Seu amor dentro de nós. É manifestação divina que nos enxerguemos como seres merecedores do melhor que esse sentimento possa nos trazer. Não é feio estar solteira, feio é ficar numa relação infeliz por medo.

Vamos aplicar esse ensinamento do padre na nossa vida. Vamos nos namorar. Sair sozinhas, ir ao cinema somente com a própria companhia, jantar conosco mesmas, divertir-nos com um filme, pipoca e doces. Precisamos desse mimo, e ele tem que vir de nós. O que os outros nos dão não pode ser maior do que aquilo que sentimos por nossa própria existência.


Se nosso coração não tem amor-próprio, como transferir esse sentimento para outra pessoa? Não será benéfico. Será aquele “amor doentio”, dependência emocional, ciúme, brigas e desequilíbrios.

Mas o amor que Deus nos ensinou não é esse. Ele caminha ao lado da paz, da tranquilidade. Se dentro de si habitam essas características, você está pronta para namorar alguém. Ame-se em primeiro lugar. Deus lhe deu a vida para que ela seja comemorada primeiramente por você mesma!

“Não julgue minha maternidade só porque tenho nanismo”, desabafa mãe sobre preconceito diário

Artigo Anterior

Pais cansados de sustentar filho de 30 anos procuram a justiça para obrigá-lo a sair de casa

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.