Reflexão

Narcisismo materno: a inveja da mãe que adoece a filha até a vida adulta

Narcisismo materno capa
Comente!

Carregamos uma crença de que toda mãe é perfeita e que ama os filhos incondicionalmente, mas às vezes, não é bem assim que acontece.

Uma mãe com transtorno de personalidade narcisista pensa na filha como posse permanente, uma propriedade. Mas uma filha não é a mãe nem a extensão dela, cada indivíduo nasceu para ser único, com sua personalidade, opiniões, vontades, sentimentos. Enquanto mães saudáveis se orgulham das filhas e vibram com suas conquistas, desejando cada vez mais sucesso e realizações, uma mãe narcisista percebe a filha como uma ameaça, podendo ter inveja de seu crescimento.

Quando criança, se a atenção se desvia da mãe, essa filha sofre retaliações, humilhações e até castigos, podendo lhe causar prejuízos psicoemocionais até a vida adulta. Uma mãe narcisista costuma ter ciúme da filha por inúmeras razões: aparência, realizações, bens materiais, juventude e até mesmo seu relacionamento com o pai.

Muitas pessoas acreditam que ser invejado é algo bom e desejável, que faz bem para a autoestima, pensam que existem outras pessoas reparando nelas e se sentindo “ameaçadas”. Mas, na realidade, ser invejada pela própria mãe é algo que ninguém gostaria de ser. Uma filha espera contar com sua mãe, compartilhar todos os seus bons momentos, comemorar suas realizações e ter melhor amiga para vibrar junto, mas quando a realidade é de uma mãe narcisista, significa que o relacionamento será marcado por brigas e atritos até por motivos fúteis. Provocações também são constantes.

Ao crescer, normalmente, as filhas de mães narcisistas acham difícil perceber essa inveja, pois não é algo que um filho espera. Carregamos uma crença de que toda mãe é perfeita e ama os filhos incondicionalmente, mas às vezes, não é bem assim que acontece. Algumas percebem esse comportamento estranho e entendem que a inveja materna existe, então passam a odiar essa mãe e adotam uma postura conflituosa e desgastante para ambas. Porém, na infância, meninas invejadas pela mãe não conseguem enxergar tal fenômeno, ao invés disso, acreditam que sempre fazem algo errado. O problema é que essa forma de abordagem usada pelas mães interioriza sentimentos negativos, fazendo a criança pensar que nunca é “boa o suficiente” e, certamente, uma criança assim será um adulto inseguro.

A inveja é um dos piores sentimentos que um ser humano pode ter e a principal causa da autoestima baixa e insegurança, então, ao criticar e desvalorizar uma pessoa, os narcisistas automaticamente diminuem a ameaça que o outro lhe representa. Uma mãe narcisista, antes de tudo, é uma pessoa narcisista, e quando todas as suas frustrações são descontadas numa filha, a criança cria automaticamente sentimentos de desamparo por essa criação tóxica.

Com base no texto escrito pela Doutora Karyl McBride, no Psychology Today, existem alguns fatores que determinam que o ciúme de uma mãe pode criar obstáculos no desenvolvimento integral da filha. Primeiro, é preciso entender que não é sua culpa ter nascido em um ambiente doentio, com uma mãe narcisista, mas existem maneiras de filtrar e cuidar de si mesma para que um lar mais saudável possa nascer de você. Conheça três exemplos para melhor se preparar para o seu processo de autocura:

1.Sabotagem do desenvolvimento

Uma criança em fase de crescimento tem sua mãe como principal exemplo de menina, mulher, amiga, esposa e pessoa no mundo. Mas, se essa mãe a coloca sempre para baixo, reprova suas sugestões, sente ciúme de suas realizações, a criança não só se torna confusa, como também leva consigo uma crença de que é melhor desistir do que tentar e fracassar. A atitude de uma mãe saudável é dar amor, apoio, ajudar e incentivar quando necessário. O que a maioria das crianças querem é agradar a seus pais, então, ao receber apenas críticas destrutivas, passam a pensar que o mais seguro é não fazer nada do que fazer e estar sempre exposto a críticas.

2.A relação distorcida com o pai

Uma relação boa para uma criança é uma relação saudável com ambos os pais. Mas quando a mãe sente inveja dessa relação, como uma filha deve agir diante dessa situação, querendo que ambos os seus pais a amem? Ao se tratar de uma mãe narcisista, muitas vezes, os maridos tendem a atender à mãe para manter a devida “paz” no relacionamento. Como o pai não poderá conectar-se com sua filha, isso pode deixá-la sem conexão emocional também com o pai. No entanto, se o pai resolver atender à filha e tentar uma conexão melhor em detrimento da esposa, esta pode agredir a filha verbal e até fisicamente. Até que o pai reaja com firmeza e imponha um tratamento adequado a essa mãe, ou que essa filha cresça, isso será constante. Sair de uma casa tóxica será libertador, mas curas de feridas emocionais dependerão muito da própria força de vontade e amor-próprio.

3.A dor de não ser amada

Desde criança, carregamos o pensamento de que seremos amadas por nossos pais, e o reconhecimento e aceitação da nossa mãe são como uma sede que temos de saciar, mesmo que tenhamos que sofrer para consegui-los. Isso pressupõe perda de independência e de liberdade, o que nos apaga e transforma.

Quando paramos para refletir e compreender todos os efeitos dessa criação, olhamos mais para dentro e compreendemos nós mesmas e nos perdoamos, além de explorar o que consideramos possível. Mas o importante é entender que a inveja de uma mãe narcisista não é normal, é destrutiva, e o desafio das filhas dessas mulheres é primeiro aprender a reconhecer para então aprender a lidar com esse comportamento.

Essa inveja atribuída não pertence a você, é uma parte da doença da sua mãe. O processo de cura envolve autocompaixão, autoconhecimento e trabalho para superar tudo, mas valerá a pena o tempo e a energia investidos no processo. Não seja como uma esponja que absorve, mas sim como um filtro.

Comente!

“Ela está fora de si.” Todas as mulheres já foram Maiara!

Artigo Anterior

O que rolou? Sabrina Sato e Duda Nagle esclarecem virada do ano separados

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.