NEM TUDO À NOSSA VOLTA SÃO ESPELHOS

Todos nós já ouvimos algumas frases como “tu não atrais o que queres, tu atrais quem és”, “tu estás com pessoas ou em contextos que têm a tua vibração” ou “o que não gostas nos outros é algo que rejeitas em ti”, mas será sempre assim? O que sinto é que as pessoas criam muitos dogmas e certezas, dando-lhes uma conotação demasiado generalista.

Cada vez que existe uma generalização, existe uma crença e cada vez que existe uma crença, no fundo a pessoa não quer admitir que não sabe, ela só acredita.

Quando  me  ensinaram  esta  teoria,  não  me  explicaram  algumas  especificidades  que  são importantes ter em conta. Isto fez-me andar a perder tempo com coisas que afinal não tinham teor para trabalhar.

Se algo ou alguém existe na nossa vida, pode estar relacionado com a qualidade daquilo que aceitamos. Nós atraímos de tudo, por isso é importante nos questionarmos porque aceitamos algo  em  detrimento  de  outro.  Ou  seja,  quando  surge  uma  pessoa  mentirosa  na  nossa  vida, pode existir espelho (também mentimos para os outros ou para nós mesmos) ou significar que nós somos pessoas que aceitamos as mentiras; se aparecer um abusador, que somos pessoas que permitimos abusos. Muitas vezes o que pode estar a operar são crenças limitadoras e não tanto os espelhos.

Outra  questão  está  relacionada  com  o  nosso  processo  de  auto-conhecimento.  Temos  duas formas  de  nos  conhecermos,  pelo  que  somos  e  pelo  que  não  somos.  Eu  tenho  uma  forte tendência e maior facilidade em conhecer-me por aquilo que não sou, se fores como eu esta forma de ver a vida pode influenciar e muito a nossa realidade e colocar-nos em grupos ou em interação com pessoas que nos vão ajudar a reunir informação sobre nós, em contraste.

Quando é que existe espelho?

Para existir espelho tem que ressoar connosco por afinidade ou aversão. Se estamos perante alguém que admiramos muito, isso indica que ela espelha  qualidades que existem em nós. Se estamos  perante  alguém  que  nos  irrita  muito  e  traz  ao  de  cima  atitudes  de  julgamento  e crítica, isso indica que há algo aí que é nosso.

Num Universo com tanta informação e milhares de pessoas de todas as formas e feitios,  um espelho vai  captar  a  nossa  atenção e  fazer-nos  sentir  emoções  agradáveis  ou desagradáveis acompanhadas de julgamento.

Se  estamos  num  local  com  neutralidade,  muito  provavelmente  somos  quem  leva  luz  à escuridão, serenidade ao caos e sabedoria à ignorância.

Quanto te vires num local com o qual não te identificas, não ressoa contigo, nem te “puxa os botões”, há uma grande probabilidade de outra coisa estar a operar que não a tua vibração ou espelho.

Nesse caso vais ter que fazer outra abordagem, sem criar mais problemas, karma ou teorias onde  elas  não  existem.  Mantém-te  em  contato  com  o  que  sentes  e  estarás  alinhado  com  a verdade desse momento.

 

___

Clarisse Cunhaperfil

Curiosa, questionadora e irrequieta levanta-se todos os dias a pensar no que vai partilhar.

Comunicar com os outros tornou-se na porta de acesso à sua essência. Além de colaborar com O Segredo podes deixar-te inspirar pelas suas palavras no seu site (clarissecunha.com) e instagram (@cunhaclarisse).




Deixe seu comentário