5min. de leitura

Melhor do que estar apaixonado é estar em paz!

Estar apaixonado é muito bom, renova nossos espíritos e abre as portas para novas perspectivas e oportunidades na vida. Mas, no entanto, melhor do que estar apaixonado é estar em paz.

Quando estamos em paz, temos sabedoria e equilíbrio interno para vivermos felizes em nossas próprias companhias. Dessa maneira, o amor tem liberdade para fluir de forma mais abundante em nossas vidas.


Muitas pessoas fazem da prioridade de suas vidas encontrar o amor ideal, mas agem de forma “imprudente”, buscando em todas as redes sociais e aplicativos de relacionamentos alguém que possa fazê-las felizes, sem antes conquistarem o essencial, conhecimento de si mesmas, interna e externamente.

Quando não nos conhecemos, não sabemos nossos desejos, necessidades, sonhos e planos, e, portanto não temos informações suficientes para escolher parceiros que realmente sejam bons para nós. Dessa maneira, podemos entrar relacionamentos tóxicos sucessivos e viver nossas vidas pulando de relacionamento em relacionamento, sem nunca nos sentirmos realmente felizes.

Estar em paz é a melhor parte da vida!

Estar em paz, ao contrário do que muitos podem pensar, não significa fugir de todos os desafios da vida, esconder as próprias emoções ou evitar sentimentos profundos como o amor ou a paixão. Estar em paz é enxergar as situações normais da vida com tranquilidade, otimismo, positividade e esperança, é ter sua luz interior sempre acesa, acreditando no melhor e desenvolvendo a paz interior.


Por mais que sejamos constantemente influenciados, tanto pela mídia quanto pelas pessoas ao nosso redor, a encontrarmos um parceiro para nos sentirmos “completos e realizados na vida”, essa busca nem sempre é significativa para todos. Muitas pessoas estão mais felizes sozinhas, e a pressão da sociedade apenas nos faz criar concepções equivocadas sobre o que significa amar alguém.

É melhor estarmos em paz, felizes com quem somos e com uma harmonia interior que não permita apegos tóxicos ou urgência por relacionamentos vazios.

O amor, por mais encantador que seja, não vale mais do que nosso amor-próprio, sanidade mental e felicidade.

É importante compreendermos que o amor não é nossa única salvação, não é a resposta a todas as nossas perguntas e nem a cura para todas as nossas dores e problemas. Devemos primeiro conhecer a nós mesmos e seguir com calma, conquistando mais resiliência com o tempo. Só assim encontraremos o equilíbrio interno que nos permite avaliar nossas vidas com mais sabedoria.


Dicas para estabelecer o seu equilíbrio interno:

  1. Uma das principais coisas que podemos fazer em nossa busca por equilíbrio interno é analisar todos os relacionamentos que temos atualmente e determinar quais deles são ou não são fundamentais para nosso crescimento e evolução. É impossível viver em paz, se conservamos muitos relacionamentos tóxicos com as pessoas ao nosso redor.
  2. Ao analisar seus relacionamentos, você, provavelmente, descobrirá que algumas pessoas não querem o seu bem, e que, provavelmente, podem agir por suas costas, manipulando-o para que faça o que desejam. É claro que isso é ruim, mas você não precisa ser vítima da situação. Ao invés de lamentar seus infortúnios, fortaleça-se para encarar os desafios da vida com coragem e determinação.
  3. Quando tiver aplicado as duas dicas acima em sua vida, você chegará ao próximo passo: definir o propósito de ser verdadeiramente feliz. Viver sua vida de sua própria maneira, sendo autêntico e fazendo todas as coisas que colocam um sorriso em seu rosto. Isso é apenas possível através do cultivo da autoestima e amor-próprio.

As pessoas que vivem em paz não consideram estar apaixonadas uma prioridade, algo essencial para uma vida completa. O amor não é o seu príncipe encantando, porque elas não estão em perigo.

Para elas, o amor é algo que deve ser conquistado quando se sentirem prontas, seja agora ou daqui a 20 anos. A sua liberdade de escolha fala mais alto do que qualquer urgência imposta por algo externo.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.